Galpgate

Hugo Soares: “Paguei as viagens e os dois jogos”

423

O novo líder parlamentar do PSD fala da polémica sobre viagens pagas a políticos para ver jogo da seleção, há um ano, e garante estar "tranquilo" sobre o assunto onde o seu nome também está envolvido.

JOÃO RELVAS/LUSA

O novo líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, volta a assegurar que pagou as viagens e os dois jogos da seleção a que foi assistir no Euro2016, há um ano. A garantia surge em entrevista à Renascença e ao Público numa altura em que estão a ser constituídos arguidos alguns políticos no âmbito de um inquérito do Ministério Público às viagens pagas pela Galp.

Nos casos de Hugo Soares e de Montenegro, a empresa em causa não é a Galp, já a suspeita é que as viagens para ver os jogos da seleção foram pagas pelo empresário Joaquim Oliveira. Os dois deputados do PSD negam, na quarta-feira à noite foi Montenegro a fazê-lo, e agora Hugo Soares explica-se nesta entrevista. “Eu assisti a dois jogos do Europeu, contratualizei com a agência de viagens com quem trabalho, paguei as viagens e os dois jogos, se houver uma investigação estou absolutamente tranquilo”.

O deputado repete uma outra vez que não viajou “a convite”: “Viajei às minhas custas, do meu bolso, paguei”. E recusa falar mais sobre o assunto, até porque “poderá haver um inquérito em curso – e ainda bem que o há, para que todas as coisas sejam esclarecidas”. E ainda explica porque escreveu ao presidente da Assembleia da República, há um ano, a alterar a justificação da falta que deu no Parlamento para falhar um plenário que calhou em dia de jogo. Nessa altura justificou a falta com “motivo de força maior”, tal como noticiou o Observador, mas depois alterou: “Depois de ter visto todas as notícias, não tinha cabimento naquela justificação… e foi apenas num dos jogos, porque o outro foi num fim-de-semana. E no imediato, quando percebi que tinha errado, fiz uma carta ao sr presidente da Assembleia da República para considerar a falta como injustificada”.

Numa altura em que chega à liderança da bancada do PSD, Hugo Soares fala também do futuro do partido, nesta entrevista, não acreditando que “um processo de sucessão possa vir a ser desencadeado”. E reafirma a sua lealdade ao atual líder do partido: “Tudo farei para que Passos Coelho volte a ser primeiro-ministro. No PSD não há ninguém melhor preparado para liderar o partido do que Passos Coelho e eu digo muitas vezes que também não há no país”. E diz que ainda não refletiu o que fará, se o líder do PSD mudar no próximo congresso do partido.

Na mesma entrevista, o social-democrata mostra-se ainda otimista quanto às autárquicas e que o partido “vai recuperar câmaras ao PS e que o PS vai ter pior resultado do que teve em 2013”, quando conseguiu vencer em metade das câmaras municipais, ficando com a presidência da Associação Nacional de Municípios que, até aí, de um autarca do PSD.

Na luta parlamentar, o social-democrata identifica um adversário no presidente da Assembleia da República, dizendo mesmo que Ferro Rodrigues “desrespeita o órgão a que preside”. “Tem tido um conjunto de posições que são claramente partidárias”, diz em relação a Ferro — que numa entrevista à Antena 1 o elogiou. “O doutor Ferro Rodrigues não pode ter opiniões pessoais que coloquem em causa a separação de poderes como fez este fim-de-semana”, disse Hugo Soares em relação ao que Ferro disse sobre o Galgate e os ex-governantes constituídos arguidos. Mas mais do que este caso, o deputado critica as declarações de Ferro sobre a comissão independente ao incêndio de Pedrógão Grande, dizendo que o presidente da Assembleia da República “não pode desdenhar de forma absolutamente inacreditável de uma deliberação da Assembleia da República”. “Quem desdenha em causa própria desrespeita o órgão a quem preside”, afirma.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
3.720

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)