Galpgate

Luís Montenegro: “Paguei as minhas viagens nas alturas em que as fiz”

396

O líder cessante da bancada parlamentar do PSD não esclarece se as deslocações no Euro2016 foram pagas antes ou depois de ter viajado para França para assistir a jogos da seleção nacional.

TIAGO PETINGA/LUSA

No dia em que um deputado do PSD viu o Parlamento aprovar o levantamento da sua imunidade, para que possa depor perante o Ministério Público sobre a viagem que fez a Paris para assistir a jogos da seleção, no Euro2016, o líder cessante da bancada parlamentar social-democrata foi contido nas explicações, durante uma entrevista à SIC Notícias. “Paguei as minhas viagens nas alturas em que as fiz.”

Garantindo ainda não ter sido contactado pelo Ministério Público para prestar declarações no âmbito do chamado processo Galpgate, Luís Montenegro assegura que pagou as viagens do seu bolso. “Fui assistir a jogos do Euro2016 a expensas próprias”, disse o social-democrata. No entanto, questionado sobre o momento concreto em que esse pagamento foi feito — se antes da viagem ou depois, mas, sobretudo, se antes ou depois de o Observador noticiar que alguns deputados do PSD também tinham ido a França –, não esclareceu. “Paguei as minhas viagens nas alturas em que as fiz”, começou por dizer, para depois arrumar o assunto desta forma: “Creio que a pergunta devia ser se eu paguei ou não paguei, e eu paguei e não há dúvida nenhuma disso.”

Mas a verdade é que saber qual o momento em que a agência Cosmos (que organizou os pacotes as viagens) foi reembolsada pelo deputado tem, no mínimo, relevância simbólica (e, no limite, relevância criminal). Quando a polémica surgiu, no final do verão passado, o Expresso escreveu que o deputado do PSD tinha mostrado uma fatura que comprovava o pagamento das viagens. Mas a fatura não tinha quaisquer datas visíveis. “Não sei se tem data, eu apresentei a cópia da fatura ao Expresso, só tenho uma fatura”, limitou-se a referir. Para, no final, sublinhar: “Não tenho nenhum problema com isso, estou muito tranquilo com isso, não fui a convite de ninguém nem a expensas de ninguém.”

“Vamos esquecer o diabo”

Luís Montenegro deixou, esta quarta-feira, as funções de líder da bancada parlamentar. Passou o testemunho a Hugo Soares — também envolvido no Galpgate — e ficou com o caminho livre para novos voos no PSD. Se tem essa aspiração (e fica a ideia de que terá), este ainda não é o tempo de dar o passo em frente. “Tenho um princípio na vida política: acho que se deve apoiar as candidaturas que oferecem as melhores condições de vencer as eleições e para governar e, no atual contexto da vida do PSD, Pedro Passos Coelho é a pessoa com melhores condições”.

O mesmo é dizer que Montenegro não avança para uma corrida à liderança, para já. Entretanto, fica a garantia de que, quando chegar o tempo, não hesitará. Nem pedirá autorizações. “Se algum dia entender que essa pessoa [com melhores condições para vencer as legisativas] sou eu, não pedirei licença a ninguém, avançarei.” Até lá, o agora deputado do PSD estará “indiscutivelmente” ao lado de Passos e na oposição ao Governo.

Considerando que uma “clarificação” no PSD sobre interessados na liderança é “muito importante” — “estou a falar para Rui Rio e para quem pense como ele” –, Montenegro não encontra muitos “erros” nos últimos dois anos, em que Passos voltou à condição de líder da oposição. Ainda assim, diz que é tempo de “esquecer o diabo”, como quem sugere que a retórica do líder do PSD foi um ato falhado, e reconhece que o partido não soube atualizar a mensagem para a nova realidade no pós-período da troika. “Estou convencido de que não conseguimos uma maioria absoluta porque não tivemos capacidade” de mostrar ao país que, depois de “sermos bons gestores da crise, gerávamos confiança para recuperar rendimento e bem estar”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
3.720

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)