Café

Três cafés por dia nem sabe o bem que lhe faziam

756

Um grupo de cientistas britânicos reviu 201 estudos e concluiu que quem bebe três ou quatro cafés por dia tem uma vida mais saudável. O risco de doenças cardíacas é menor e de cancro também.

De um modo geral, o café parece ser bom para o fígado e evitar doenças como a cirrose hepática

Getty Images/iStockphoto

Um novo estudo, que teve por base 201 trabalhos anteriores, revelou que as pessoas que bebem três ou quatro cafés por dia têm uma vida mais saudável. Por outras palavras, beber café traz mais benefícios do que malefícios e pode mesmo prevenir doenças cardíacas.

O trabalho científico, intitulado “O consumo do café e a saúde” e publicado na quarta-feira na revista médica BMJ, foi realizado por uma equipa de investigadores liderada por Robin Poole, especialista em saúde pública da Universidade de Southampton, no Reino Unido. Através da revisão de 201 estudos anteriores, os cientistas puderam concluir que quem bebe três cafés por dia tem uma vida mais saudável, explica o The Guardian. O risco de doenças cardíacas é menor e de morte prematura também.

Durante a análise, os investigadores britânicos concluíram também que, quem bebe café com regularidade, tem menos probabilidade de ter cancro, nomeadamente da pele ou do fígado, ou diabetes tipo 2. De um modo geral, o café parece ser bom para o fígado e evitar doenças como a cirrose hepática.

Relativamente àqueles que bebem quatro ou mais chávenas de café diariamente, os investigadores não encontraram nenhum risco associado, mas concluíram que os efeitos benéficos são menos pronunciados.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)