O FC Porto venceu esta quarta-feira o Sporting, por 2-1, em jogo da 12.ª jornada do campeonato nacional de hóquei em patins, aproximando-se assim da liderança, que pertence agora ao Benfica.

Os ‘leões’, que chegaram a esta partida na condição de líderes, descem agora à segunda posição, com menos um ponto do que os ‘encarnados’, enquanto o FC Porto está na terceira posição com menos dois.

FC Porto e Sporting fizeram uma primeira parte bastante equilibrada, com poucas oportunidades de golo, mas com as duas equipas a debaterem-se de igual por igual na tentativa de se colocar na frente do marcador.

A oportunidade mais flagrante aconteceu já bem perto do intervalo. O FC Porto beneficiou de uma grande penalidade, após falta de Henrique Magalhães sobre Telmo Pinto. Gonçalo Alves foi chamado a converter mas André Girão defendeu.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No segundo tempo, manteve-se a tendência de equilíbrio, ainda assim com o FC Porto mais ativo junto da baliza sportinguista.

Fruto dessa insistência, a formação ‘azul e branca’ conseguiu desfazer o empate quando estavam decorridos 10 minutos da segunda parte, por intermédio de Gonçalo Alves, que rematou de fora da área sem qualquer resposta de André Girão.

A equipa sportinguista manteve a pressão e o golo da igualdade acabou por surgir já perto do apito final, através de João Pinto.

Os últimos minutos do encontro foram muito intensos, com as duas equipas a pressionarem por chegar ao golo. Mas Carles Grau, guardião portista, fez a diferença e assumiu-se como a figura do encontro. O guarda-redes negou por diversas vezes o golo ao Sporting nestes últimos instantes do jogo.

Quando faltavam quatro minutos para o final, após a 10.ª falta do Sporting, Hélder Nunes foi chamado a concretizar o livre direto, conseguindo apenas bater André Girão na recarga.

Até ao final, o Sporting contou duas oportunidades claras de golo, mas Carles Grau superiorizou-se, permitindo ao FC Porto somar três pontos.

Antes da partida, Edo Bosch, ex-guarda-redes do FC Porto e que já terminou a carreira de jogador, foi homenageado pelo clube que representou durante 18 anos, tendo recebido da mão do presidente Pinto da Costa uma camisola autografada por toda a equipa.