Há um novo mistério a envolver funcionários norte-americanos com sintomas supostamente provocados por sinais sonoros “anormais”. Depois de Havana, Cuba, a CNN diz agora que, algures entre o final do ano passado e abril deste ano, um funcionário dos EUA colocado em Guangzhou, no sudeste da China, começou a reportar “sensações anormais de som e pressão”. As autoridades norte-americanas já emitiram um alerta de saúde mas ainda não foi avançada a possibilidade de retirar quaisquer elementos do país.

Os sintomas descritos pelo funcionário norte-americano podem ser um sinal de uma “ligeira lesão” no cérebro, refere a CNN, citando as autoridades do país. As queixas começaram no final do ano passado, prolongaram-se até abril deste ano e levaram Washington a determinar o regresso desse funcionário aos EUA, para que fosse sujeito a uma avaliação clínica.

O resultado desses exames apontou para a possibilidade de o funcionário ter sofrido a tal “lesão ligeira” e conduziu a um paralelismo com o caso cubano, que acabou com a ordem de retirada para a maioria dos elementos do corpo diplomático em Cuba.

EUA retiram 60% do corpo diplomático de Cuba após queixas de ataques ultrassónicos

Nesse caso, falava-se em ataque ultrassónico contra aqueles funcionários, mas ainda não foi possível determinar o que esteve na origem dos sintomas reportados pelos funcionários em Cuba. Captaram-se sons, o mistério adensou-se mas nunca se chegou a uma conclusão definitiva sobre o que provocava aqueles sintomas ou, sequer, onde estava instalado o aparelho (ou os aparelhos) responsáveis por esse sinal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em Havana, várias pessoas ligadas ao corpo diplomático dos EUA queixaram-se dos sintomas. Para já, em Guangzhou, há apenas um caso identificado. Ainda assim, esse caso está a ser levado “muito a sério” pelo Departamento de Estado norte-americano, que pretende apurar o que está a provocar este mistério. “O Governo chinês garantiu-nos que também está a investigar e a tomar as medidas adequadas”, disse fonte diplomática dos EUA à CNN.

No alerta que enviou para a China, as autoridades norte-americanas aconselham quem sentir “fenómenos auditivos ou sensoriais agudos” a afastar-se da fonte do ruído.

Ataque sónico? Funcionários da embaixada americana em Cuba com sintomas misteriosos