Filipinas

Presidente das Filipinas pediu um beijo a uma mulher. Atitude de Duterte está a ser condenada

O presidente das Filipinas está a ser criticado por ter pedido um beijo a uma mulher durante um evento na Coreia do Sul. Rodrigo Duterte está a ser acusado de sexismo e misoginia. Veja o vídeo.

O presidente das Filipinas tem causado bastante polémica com as duas declarações

MARK R. CRISTINO/EPA

O presidente filipino Rodrigo Duterte é conhecido pelas frases polémicas, chocantes e até ofensivas. Desde ter dito ao Papa Francisco para não regressar ao país, quando o sumo pontífice se deslocou às Filipinas em 2015, até ter anunciado que planeava matar os três milhões de toxicodependentes da nação “assim como Hitler matou três milhões de judeus”, as afirmações de Duterte têm desencadeado revolta e críticas na comunidade internacional. Mas, desta vez, o presidente filipino está a ser condenado não por uma frase, mas por uma atitude.

Durante um evento na Coreia do Sul, em que se encontrou com vários cidadãos filipinos que trabalham naquele país, Rodrigo Duterte beijou uma mulher nos lábios. Tudo aconteceu quando o chefe de Estado chamou duas filipinas ao palco para oferecer um livro a cada uma: de acordo com a CNN, tratava-se de um livro que critica a Igreja Católica. Depois disso, deu um beijo na face de uma das mulheres.

[Veja aqui o vídeo sobre o beijo polémico de Rodrigo Duterte que está a provocar muitas críticas]

Quando a outra mulher se dirigiu a Duterte da mesma maneira, apresentando a face, o presidente das Filipinas moveu os lábios, como que a indicar que queria que a mulher o beijasse nos lábios – o ato gerou assobios e entusiasmo da multidão que assistia ao evento. A mulher acedeu e beijou Rodrigo Duterte. Em seguida, o líder filipino perguntou-lhe se era solteira e se podia dizer ao marido que tudo não tinha passado de uma brincadeira.

O presidente das Filipinas é casado e tem uma filha. Já a mulher, que foi mais tarde identificada como Bea Kim, é casada com um sul-coreano e tem dois filhos. Em declarações à comunicação social filipina, Kim garantiu que não existiu “malícia” no beijo e que não tinha significado nada sem ser “entreter e fazer felizes os outros filipinos que estavam no evento”.

Risa Hontiveros, a líder da oposição a Rodrigo Duterte, descreveu o episódio como uma “desprezível demonstração de sexismo e um grave abuso de autoridade”. “Ele age como um rei feudal que pensa que ser presidente lhe dá o direito de fazer o que lhe apetece”, defendeu Hontiveros, acrescentando que as “relações de poder desiguais” significam que o beijo não foi um ato consentido entre dois adultos.

Ainda assim, e apesar das críticas generalizadas, Duterte também tem alguns defensores. Nas redes sociais, vários filipinos brincaram com a situação e garantiram que está a maneira como os Visayans – o grupo étnico do presidente das Filipinas – brincam com as pessoas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)