Detenções

Tribunal diz que identificação dos arguidos do caso Hells Angels começou à meia noite

O arranque deste procedimento, que tem que estar concluído até às 7h desta sexta-feira, esteve inicialmente marcado para as 17h de quinta-feira, tendo depois sido adiado para as 20h30.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O primeiro grupo de um total de 58 arguidos do caso Hells Angels presentes a tribunal começou a ser identificado cerca da meia noite, garantiu uma fonte do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa.

O arranque deste procedimento, que tem que estar concluído até às 07h desta sexta-feira, esteve inicialmente marcado para as 17h de quinta-feira, tendo depois sido adiado para as 20h30, a hora a que apenas deu entrada no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa o processo, remetido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Mais tarde, vários advogados disseram aos jornalistas que a identificação dos 58 arguidos tinha começado às 22h, o que afinal não se verificou, segundo a fonte do tribunal. Os advogados só depois foram notificados dos factos.

Esta primeira fase de identificação, e manifestação de vontade de prestar declarações perante a juíza precede o interrogatório, que apenas deverá acontecer a partir da tarde de hoje.

Às 07:00 de hoje expira o prazo de 48 horas para os arguidos serem levados ao juiz, considerando que as autoridades judiciais entenderam fazer a contagem do tempo a partir do início das buscas, como medida de uniformização para todos os detidos.

Ao todo, serão presentes à juíza de instrução Maria Antónia Andrade 58 arguidos, sendo que o 59.º se encontra detido na Alemanha.

Na quarta-feira, a coordenadora da Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo Manuela Santos referiu, em conferência de imprensa, que acredita que muitos elementos ficarão em prisão preventiva, dada a gravidade os crimes pelos quais estão indiciados. Quatro dos 59 elementos dos Hells Angels foram detidos em flagrante por posse de arma de fogo.

O grupo Hells Angels existe em Portugal desde 2002 e, desde então, tem sido monitorizado pela polícia. Os atos violentos ocorridos em março no Prior Velho, Loures, que envolveram dois grupos rivais de motards, Hells Angels e Red&Gold, e que fez seis feridos, dos quais três graves foi a primeira manifestação mais violenta da organização que levou a PJ a agir.

A operação policial de desmantelamento do grupo também teve em conta a realização, de 19 a 22 julho, do encontro de Motards de Faro, onde poderiam ocorrer novamente confrontos entre os dois grupos. Segundo a PJ, 58 elementos foram detidos em Portugal e um na Alemanha, através de um mandado de detenção europeu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)