Rádio Observador

Caso Ricardo Robles

“Aqui podia morar gente”. Fachada de prédio de Ricardo Robles vandalizada

9.737

O polémico prédio do autarca bloquista e da sua irmã foi vandalizado com a frase "aqui podia morar gente". Ao lado, foi desenhado o símbolo do Bloco de Esquerda. Veja as fotografias.

O prédio dos irmãos Robles fica em Alfama, uma zona que tem tido muita procura imobiliária devido ao potencial para alojamento local

OBSERVADOR

“Aqui podia morar gente”, o prédio envolvido em polémica de Ricardo Robles foi vandalizado esta tarde com um grafiti como os que costumam ser vistos em prédios abandonados da capital, por vezes, também com o logótipo do Bloco de Esquerda. O ato de vandalismo, conforme apurou o Observador, terá sido feito na tarde deste sábado.

O caso do prédio do autarca lisboeta estalou esta sexta-feira, depois de o Jornal Económico noticiar que o bloquista acérrimo opositor da especulação imobiliária, tinha, em 2014, comprado com a irmã, um prédio em leilão à segurança social por 347 mil euros para, depois de remodelações, o ter colocado à venda por 5,7 milhões através de uma agência imobiliária.

Ainda esta sexta-feira em conferência de imprensa, Ricardo Robles, que tem para arrendar por 1300 euros outro apartamento da capital, afirmou que procedeu “de forma exemplar” na remodelação do imóvel. Segundo as explicações do vereador do BE, o imóvel encontrava-se degradado e, por ordens da Câmara Municipal de Lisboa, que alegou “a segurança de pessoas e bens, tinha de sofrer intervenções para ser recuperado. Já quanto à tentativa de venda disse que foi motivada por questões pessoais da irmã, que é co-proprietária.

Esta sábado foi divulgado pelo Público que o prédio do vereador do Bloco de Esquerda e da irmã em Alfama esteve anunciado para alojamento local. Os 11 apartamentos foram anunciados como prontos para “prontos para serem utilizados em short term rental [contratos de curta duração]” referindo o prédio como uma “oportunidade única em área turística no coração de Lisboa”.

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, manifestou novamente este sábado que a legitimidade política do autarca não foi comprometida com a divulgação do caso. Quanto ao pedido de demissão de Robles da Câmara da capital feito pelo PSD Lisboa, a deputada acusou de “hipocrisia e cinismo”, dizendo que o partido da oposição está a “perseguir” o Bloco quando devia “tirar consequências investigações de que está a ser alvo” em casos como os “vistos golds, como de financiamento ao partido através de negócios ligados a obras e autarquias”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins
133

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)