Caso Ricardo Robles

Ricardo Robles tem outro apartamento para arrendar. Fica no centro de Lisboa e pede 1300 euros por mês

8.838

Além do prédio de Alfama que pôs à venda por 5,7 milhões e agora já diz que está apenas no mercado de arrendamento, o bloquista tem mais um apartamento para arrendar no centro de Lisboa.

O vereador Ricardo Robles é proprietário de um apartamento na Rua do Conde de Redondo

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Além do polémico prédio de Alfama, que comprou a meias com a irmã por 347 mil euros, remodelou por 650 mil e colocou à venda por 5,7 milhões num prazo de quatro anos, Ricardo Robles é proprietário de um apartamento no centro de Lisboa. E tal como agora passou para propriedade horizontal e apenas para o mercado de arrendamento a sua parte do edifício Rua Terreiro do Trigo, também está à procura de alguém a quem arrendar o piso onde antes vivia na rua do Conde de Redondo, confirmou o Observador no local, junto de uma pessoa que estava no imóvel a mostrá-lo a potenciais arrendatários.

No exterior, há ainda um anúncio do portal imobiliário Casa Sapo que não deixa dúvidas. “Arrenda-se”, lê-se em letras maiúsculas, para provar que a casa continua livre e à procura do próximo inquilino, numa zona nobre da cidade, onde a procura não pára de crescer. O valor que o vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa pede de renda mensal é de 1300 euros, confirmou o próprio.

Era nesse apartamento na Rua do Conde de Redondo, que o autarca bloquista vivia até há pouco tempo, de acordo com a morada que consta na sua declaração de rendimentos, apresentada por Ricardo Robles ao Tribunal Constitucional a 17 de novembro de 2017, e que o Observador consultou. Já na declaração de rendimentos apresentada no este ano, o autarca mudou a morada, para uma situada na freguesia de Avenidas Novas.

Contactado pelo Observador para saber se este apartamento, situado na freguesia de Santo António, estava vazio, arrendado a particulares ou tinha qualquer outro uso, Ricardo Robles confirmou que era o seu “local de residência até dia 1 de maio” e que já comunicou “esta alteração [de morada] ao Tribunal Constitucional”.

“Neste momento, [a casa] está vazia”, acrescentou ainda o vereador do Bloco de Esquerda, referindo-se ao dito apartamento que habitou na Rua de Conde de Redondo.

[O apartamento] era o meu local de residência até dia 1 de maio, já tendo comunicado esta alteração ao Tribunal Constitucional. Neste momento, está vazia”, disse Ricardo Robles ao Observador.

Num primeiro contacto por parte do Observador, o vereador não deu mais informação acerca do apartamento, nomeadamente sobre o facto de estar à procura de um arrendatário para o mesmo. Na conferência de imprensa que deu esta sexta-feira para prestar esclarecimentos sobre a polémica da compra e venda do prédio de Alfama, em conjunto com a irmã, que lhe poderiam valer mais-valias de 4 milhões de euros em apenas quatro anos, Robles detalhou que, da sua parte, tinha deixado cair a intenção de venda e apenas iria fazer o arrendamentos das frações a que tem direito, mas nunca mencionou a existência deste segundo apartamento que também tem para arrendar.

Contactado uma segunda vez pelo Observador, Robles acabou contudo por confirmar que era o proprietário do apartamento e que está, de facto, também à procura de um arrendatário para o mesmo. E foi nesse momento que adiantou também que pede 1300€ por mês de renda, mas que não o arrendou ainda a ninguém desde que saiu de lá, em maio.

Trata-se de um apartamento T3 que foi declarado pelo vereador do Bloco na Câmara de Lisboa com o pelouro da Educação e dos Direitos Sociais nas duas últimas declarações de rendimentos ao Tribunal Constitucional, em 2017 e 2018, e entretanto já corrigida este ano. Tem um piso e cinco divisões, 85 metros quadrados e um valor patrimonial avaliado em 65.700 euros.

Nessas declarações de rendimentos, o bloquista têm também declarado o prédio de Alfama que comprou em 2014 à Segurança Social por 347 mil euros e que depois chegou a ter à venda numa imobiliária especializada em imóveis de luxo, apesar de ser um acérrimo crítico da especulação imobiliária, uma das principais batalhas do seu partido.

O prédio, que comprou com a irmã com recurso a empréstimos, foi avaliado pela agência em 5,7 milhões. A ser vendido, o imóvel poderia ter uma mais-valia bruta a rondar os 2 milhões de euros para cada um. Robles viria a retirar o prédio do mercado, seis meses mais tarde, passando o prédio para propriedade horizontal. “Esta decisão não foi especulativa. Não venderei a minha parte do imóvel e colocarei as minhas frações no mercado de arrendamento. Compreendo as razões da minha irmã para não voltar e arrendar”, justificou Robles na conferência de imprensa, desta sexta-feira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)