Praia

Duplicaram zonas balneares com banho desaconselhado ou proibido

O desaconselhamento ou proibição de banhos, mesmo que durante um curto período de tempo, afetou até 15 de agosto 38 praias em Portugal, mais do dobro das interdições do ano passado.

LUIS FOPRRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O número de zonas balneares em que o banho foi desaconselhado ou proibido duplicou em relação a período homólogo de 2017, informou esta quinta-feira a Associação ZERO, que alerta para a ausência de medidas de controlo em algumas praias.

O desaconselhamento ou proibição de banhos, mesmo que durante um curto período de tempo, afetou até 15 de agosto 38 praias em Portugal, um valor que representa 6,3% do total das águas balneares, o dobro do ano passado, sublinhou a associação em comunicado.

Apesar de estarem identificadas mais zonas balneares em relação a 2017, existindo atualmente 608 praias, 480 costeiras ou de transição e 128 interiores, e de os problemas serem mesmo assim relativamente diminutos e esporádicos, houve um aumento considerável de perturbações de qualidade da água nas praias portuguesas”, pode ler-se na mesma nota.

Segundo a ZERO, a maioria dos casos ocorre em zonas balneares interiores, “mais suscetíveis a descargas ou falta de tratamento de águas residuais, ou praias costeiras com ribeiras ou rios próximos cuja qualidade é afetada por episódios causados por fontes de poluição ou na sequência de contaminação associada a poluição difusa aquando de precipitação intensa, faltando medidas adequadas de controlo”.

Por outro lado, metade destes episódios tiveram lugar em zonas balneares com classificação de Excelente pelo que, ressalva a associação, devem tratar-se “de episódios esporádicos que, no contexto da legislação, até podem não pôr em causa a sua qualidade, mas que devem ter as suas causas devidamente averiguadas”.

A avaliação da ZERO foi realizada a partir dos resultados relativos à qualidade das águas na presente é poça balnear disponibilizados para consulta no Sistema Nacional de Recursos Hídricos, comparando-os com a informação registada em 2017, no mesmo período de tempo.

Para além das interdições motivadas pelo facto de as águas apresentarem níveis excessivos em determinados parâmetros e/ou decretadas pelos Delegados Regionais de Saúde, foram registados outros casos (como um episódio de poluição no rio Lis que afetou a Praia da Vieira na Marinha Grande) e que não estão referidos na informação disponibilizada.

Uma situação que leva a associação a defender “uma melhoria na informação transmitida, apresentando-se todas as situações de interdição e o respetivo motivo”.

Na nota, ressalva-se ainda o facto de “nenhuma das zonas balneares abrangidas por interdição ou pelo desaconselhamento ou proibição a banhos” ser “uma das 44 praias classificadas pela associação como praia ZERO”, ou seja, “zonas balneares onde não foi detetada qualquer contaminação nas análises efetuadas ao longo das três últimas épocas balneares”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)