“Nestum, rico em proteínas. O pequeno-almoço completo e equilibrado”. Há 60 anos, a Nestlé apresentava uma nova papa, uma receita original que queria fazer parte da primeira refeição do dia das famílias portuguesas. A primeira emissão televisiva em Portugal tinha sido há apenas um ano, nascia Madonna, Michael Jackson idem e era criada a NASA para dar forma ao sonho de explorar o resto do universo. Por cá, os cereais de pequeno-almoço ainda eram uma coisa de outro mundo. Em vez disso, imperavam o belo do pão com manteiga e a caneca de leite, já que os alimentos de textura duvidosa (que não eram sólidos, nem eram líquidos) ainda não eram um hábito adquirido. Já havia farinhas lácteas no mercado, mas estavam reservadas aos bebés.

Os flocos solúveis com sabor a mel até podem ser os que predominam na memória coletiva, mas não foram os primeiros. Estiveram bastante longe de o ser, na verdade. Sem sabores exóticos, o primeiro Nestum era nada mais nada menos do que uma caixa de flocos de cereais. Importados? Nada disso. Tanto a receita como os ingredientes foram, desde o início, bem portugueses. Em Avanca, no distrito de Aveiro, a fábrica labora há 95 anos, o mesmo tempo que a multinacional suíça tem em Portugal. A vila está para o setor como a Marinha Grande está para o vidro. Terra natal de Egas Moniz, foi lá que nasceu ainda a Sociedade de Produtos Lácteos, fundada em 1920 e na qual o Prémio Nobel da Medicina também teve a sua quota parte. Foi da dita fábrica, até então dedicada à produção de farinhas lácteas, que, em 1958, saíram as primeiras caixas. Como destino, tinham as mercearias e as micro superfícies comerciais espalhadas por esse país fora.

Chegou às mercearia em 1968 e desapareceu das prateleiras dos hipermercados no fim dos anos 90. O Nestum de Figos é o que mais saudades deixou

Durante dez anos, não houve outros sabores. Só em 1968 é que a marca juntou duas novas edições ao catálogo: o Nestum de Arroz e o Nestum de Figo (para provar o de mel foi preciso esperar mais um bocadinho). Na época, sugiram também as caixas pequenas, uma espécie de Nestum de bolso que, entretanto, desapareceu completamente das prateleiras do supermercado. Com o ano de 1971, o famoso Nestum de Mel e o sucesso foi imediato. No fim da década de 70, a produção tinha quadruplicado, com estes últimos flocos a representarem 85% das vendas. Os anos 80 trouxeram modernização. Em 1985, abria o primeiro hipermercado em Portugal, o Continente de Matosinhos, chegavam novas máquinas à fábrica e a produção aumentava. Hoje, 10% da produção de Nestum é exportada e a tendência é aumentar o rácio. A Nestlé está de olho no mercado asiático e se pegar, como boa receita portuguesa, o Nestum sairá de Portugal para rumar ao outro lado do mundo.

Em tempos, foram cartazes como este que sinalizaram os locais que vendiam Nestum

Tal como os sabores, lista a que se juntaram ainda o alperce e o chocolate, também os anúncios ficaram na memória dos portugueses. No início dos anos 90, Tarzan aparecia a comer Nestum de Figo (este foi descontinuado no final da década). Pouco tempo depois, chegava a célebre deixa: “Dizem que sou parecido com o Figo”. Depois disso, os pequenos adultos e o refrão “Das 9 às 5” que não nos saiu da cabeça. O certo é que há muito que os flocos deixaram de ser apreciados só pelas crianças. Segundo um estudo feito pela marca, no ano passado, metade do consumo nacional é feito por adultos.

Era assim a primeira embalagem de Nestum, em 1958

E parece que os flocos com sabor a figo deixaram mesmo saudades. À Nestlé chegam dezenas de mensagens a pedir o regresso da caixa lilás. A marca não nega a possibilidade de voltar a produzir, mas primeiro é preciso acertar numa fórmula rentável. Enquanto não chega e para assinalar o 60º aniversário da papa, a marca lançou uma edição limitada de banana. Afinal, há lá fruta mais consensual.