Bitcoin

Jovens adultos do sexo masculino são quem mais investe em ‘bitcoin’

A 'bitcoin' comemora 10 anos de existência em 2019 e são os jovens adultos do sexo masculino, menos avessos ao risco, os principais investidores na moeda virtual.

SASCHA STEINBACH/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A ‘bitcoin’ comemora 10 anos de existência em 2019 e são os jovens adultos do sexo masculino, menos avessos ao risco, os principais investidores na moeda virtual, de acordo com os especialistas ouvidos pela agência Lusa.

“É muito interessante perceber que são os mais jovens que têm o maior número de contas”, indicou Pedro Lino, economista da Dif Broker, à Lusa, acrescentando que, “segundo um estudo publicado pelo Global Blockchain Council, 58% de cerca de 24 milhões de contas pertencem a jovens entre os 18 e os 34 anos, e 71% das contas são de pessoas do sexo masculino”.

Rui Bernardes Serra, economista-chefe do Montepio, indicou que, “sendo um ativo de elevado risco, tradicionalmente existe uma maior propensão a ser adquirido por homens em vez de mulheres”, adiantando que “estudos empíricos da teoria económica da decisão, em contexto de incerteza, têm apontado para que as mulheres sejam mais avessas ao risco”.

“Por outro lado, sendo baseado numa tecnologia inovadora, é provável que a ‘bitcoin’ tenha atraído os mais jovens”, frisou.

No mesmo sentido, Filipe Garcia, economista da IMF – Informação de Mercados Financeiros, referiu que “os estudos que existem referentes a Portugal falam em jovens adultos, do sexo masculino e com carreira académica ou profissional ligada às áreas tecnológicas”.

De acordo com Pedro Lino, apenas 3% dos ‘baby boomers’, com idades entre os 55/65 anos, têm ‘bitcoins’.

“Podemos concluir que o facto de a população mais jovem procurar meios de pagamento digitais, rápidos, baratos e com independência do sistema financeiro fez disparar a utilização da ‘bitcoin’”, considera o economista da Dif Broker.

Para quem não conhece bem a ‘bitcoin’, moeda virtual criada no início de 2009, Rui Bernardes Serra explicou que “é uma moeda, como o euro ou o dólar, mas bastante diferente”.

Em primeiro lugar, “não é possível mexer no bolso e encontrar uma ‘bitcoin’, porque esta moeda não existe fisicamente, é totalmente virtual”, e a sua emissão também não é feita nem controlada por um banco central.

O economista-chefe do Montepio referiu que “no processo de nascimento de uma ‘bitcoin’, chamado “mineração”, os computadores ligados à rede competem entre si na resolução de problemas matemáticos e, quem ganha, recebe um bloco da moeda”.

Além da mineração, também é possível adquirir ‘bitcoins’ através da compra de unidades em corretoras específicas ou aceitando a criptomoeda ao vender determinados bens e serviços.

As moedas virtuais são guardadas numa espécie de carteira que é criada quando o utilizador se regista no ‘software’. Depois do registo, a pessoa recebe um código com letras e números, chamado de “endereço”, utilizado nas transações, e, quando o detentor de ‘bitcoins’ quiser comprar algo, um jogo, por exemplo, deve fornecer ao vendedor esse endereço.

Rui Bernardes Serra frisou que durante todo o processo as identidades do comprador e do vendedor são mantidas no anonimato, mas a transação fica registada no sistema de forma pública e a compra não pode ser revertida.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças

Um bitcoin por uma incrível taça de chá /premium

José Miguel Pinto dos Santos
626

Qual é o valor de um bitcoin? Uma barra de ouro, uma casa ou um quadro de Picasso? É exatamente igual àquilo que nós, os homens, na nossa inconstância e vaidade lhe queiramos dar. Nem mais, nem menos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)