Rádio Observador

Novo Banco

José Maria Ricciardi: a resolução do Novo Banco foi “um erro colossal”

251

O ex-administrador do BES culpa Passos Coelho por não ter recusado a exigência da resolução feita pela da UE, em entrevista ao Público. E diz que haverá condenações no processo do banco.

José Maria Ricciardi acusou: "o Fundo de Resolução está a transferir dinheiro para as empresas de recuperação de crédito"

MARIO CRUZ/LUSA

O ex-administrador do BES José Maria Ricciardi entende que a resolução do Novo Banco foi “um erro colossal”. Em entrevista ao Público, o banqueiro mostrou-se também convicto sobre o desfecho das investigações à gestão de Ricardo Salgado, seu primo. As críticas, essas, apontam em várias direções: ao anterior Governo, de Pedro Passos Coelho, ou à forma como foi gerido todo o processo.

É a primeira entrevista que dá desde a resolução do banco, e, sobre esse tema, Ricciardi criticou o antigo primeiro-ministro, Passos Coelho: “Eu aqui critico mais o dr. Pedro Passos Coelho e sou insuspeito pela relação muito forte que tenho com ele. O problema é mesmo a Resolução, que nunca devia ter sido feita. E não foi o Banco de Portugal que a quis, foi a União Europeia que a impôs, para fazer aqui uma nova experiência que praticamente não repetiu em mais lado nenhum.”

O ex-administrador do BES referiu aquilo que diz ser o “problema endémico dos governos portugueses”, que “nunca enfrentam a UE”, acusando o executivo de Passos de não ter tido “coragem”, acrescentando: “não bateu o pé a esta solução”. Ricciardi afirmou também culpar “mais o governo de Passos Coelho e a sua atitude face às autoridades europeias”, sendo que “não avaliaram bem as consequências da Resolução que ainda hoje estamos a viver”.

Sobre o Novo Banco, que foi vendido ao fundo norte-americano Lone Star, o ex-administrador do BES acusou: “o Fundo de Resolução está a transferir dinheiro para as empresas de recuperação de crédito”. E explicou ainda: “Se é para usar o dinheiro do Estado para ir saneando o banco, faria mais sentido mantê-lo na esfera pública, escolhendo gestores profissionais, vendendo-o quando o banco estivesse em melhores condições. Agora ser um privado a gerir os dinheiros do Estado é uma solução que nunca vi em lado nenhum”. Nesta entrevista, Ricciardi defendeu ainda que “no Novo Banco há um problema de rentabilidade e de atividade económica por resolver”.

Questionado sobre se aceita a tese de que o Governo e o Novo Banco justificam o agravamento das imparidades alegando que os problemas vêm detrás — do tempo do BES — Ricciardi responde categoricamente: “Sou insuspeito, mas se a culpa é da gestão do dr. Salgado, por que razão as imparidades não foram apuradas quando o Novo Banco foi criado?”

José Maria Ricciardi foi visado em processos do Banco de Portugal, enquanto gestor do GES (final de 2011 até junho de 2014) e administrador do BES, tendo sido este ano absolvido pelo supervisor. Para o banqueiro, “fez-se justiça”. Aquele que contestou publicamente a gestão de Ricardo Salgado afirmou ainda: “Não tenho dúvidas que levarão a condenações”, referindo-se às investigações policiais e do Ministério Público ao BES, GES e PT.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)