Rádio Observador

Papa Francisco

Papa diz que as migrações não se resolvem com “barreiras”

122

Francisco chegou hoje a Marrocos para uma visita oficial de dois dias e na esplanada da Torre Hassan declarou que a migração "nunca encontrará solução na difusão do medo dos outros"

CIRO FUSCO/EPA

O papa disse hoje, em Rabat, que o fenómeno da migração não se resolve com a construção de barreiras ou negando assistência e defendeu a busca de meios para erradicar as causas que forçam essas pessoas a deixarem os seus países.

Francisco chegou hoje a Marrocos para uma visita oficial de dois dias e foi recebido no aeroporto pelo rei marroquino Mohamed VI.

Na esplanada da Torre Hassan, depois de ouvir o rei, o papa declarou que a migração “nunca encontrará solução na construção de barreiras, na difusão do medo dos outros ou negando assistência para aqueles que aspiram a uma melhoria legítima para si e as suas famílias”.

“Vós sabeis quanto me preocupa a sorte, muitas vezes terrível, dessas pessoas que em grande parte não deixam os seus países se não fossem obrigadas a fazê-lo”, disse Francisco no seu discurso, sendo aplaudido em várias ocasiões pelos milhares de pessoas presentes, apesar da chuva incessante.

O papa lembrou que, em dezembro passado, foi realizada a conferência para um pacto mundial por uma migração segura, ordeira e regular e que um documento foi aprovado, mas que “ainda há muito a ser feito”.

Francisco sublinhou que “é necessário passar dos compromissos assumidos neste documento” para uma “mudança de disposição para com os migrantes, afirmando-os como pessoas, não como números, reconhecendo os seus direitos e a sua dignidade nos factos e nas decisões políticas”.

No seu entender a “grave crise migratória que se está a viver” é um “apelo urgente para que todos possam buscar meios concretos para erradicar as causas que forçam muitas pessoas a deixarem o seu país, a sua família e se encontrarem fortemente marginalizadas, rejeitadas”.

Francisco pediu a Marrocos — que, segundo as Nações Unidas, atualmente tem 80 mil migrantes subsaarianos, muitos deles a viver em campos de refugiados após a tentativa de chegar a Espanha – que continue a ser “um exemplo de humanidade para os migrantes e os refugiados”.

Francisco, o segundo papa a visitar Marrocos depois da viagem de João Paulo II em 1985, também sublinhou no seu discurso que o objetivo de sua visita é “promover o diálogo inter-religioso e da compreensão mútua entre os fiéis de nossas duas religiões”.

A partir desta “ponte natural entre a África e Europa”, o papa sublinhou a importância do diálogo entre as religiões para acabar com “mal-entendidos, máscaras e estereótipos que sempre levam ao medo e às contraposições, e assim, abrir o caminho para um espírito de colaboração fecunda e respeitosa”.

O papa argentino, que já visitou dez países muçulmanos, congratulou-se com todas as iniciativas para travar “a instrumentalização das religiões para incitar o ódio, a violência e o extremismo ou fanatismo cego e para deixar de usar o nome de Deus para justificar atos de homicídio, exílio, terrorismo e opressão”.

No seu discurso, Francisco também lançou uma mensagem sobre a liberdade religiosa, dizendo que não se deve limitar somente à liberdade de culto, mas que cada um possa “viver segundo a própria convicção religiosa, que está inseparavelmente unida à dignidade humana”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)