Educação

Professores. Fenprof estuda apresentação de pedidos de pré-reforma “em massa”

432

Sindicato considera que pedidos de pré-reforma em massa poderiam "pressionar o Governo" a criar um regime de aplicação da medida, desincentivada por Centeno. Mário Nogueira fala em universo de 50 mil.

Secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, diz que há 40 a 50 mil professores com mais de 55 anos

RODRIGO ANTUNES/LUSA

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) está a estudar um envio de pedidos de pré-reforma “em massa”, para “pressionar o Governo a criar um regime de aplicação da medida”. A informação foi avançada ao Diário de Notícias pelo secretário-geral do sindicato, Mário Nogueira, e surge depois de os ministros das Finanças (Mário Centeno) e da Segurança Social (Vieira da Silva) terem clarificado que o regime de pré-reforma para os funcionários públicos que entrou em vigor em fevereiro será aplicado “caso a caso” e não de forma generalizada — afirmações que Mário Nogueira classifica como uma “desilusão”.

A Fenprof está agora a tentar entender quantos dos 40 a 50 mil professores com mais de 55 anos que tem contabilizados — e que corresponderão a cerca de 40% da classe — estão interessados em avançar com um pedido de pré-reforma para avançar com os pedidos em massa, caso haja interessados suficientes. “Até ao nível do erário público, não faz sentido obrigar todos a continuar nas escolas, porque têm mais problemas de saúde, mais baixas médicas e estão em escalões mais altos”, afirma Mário Nogueira ao DN.

O decreto-lei publicado a cinco de fevereiro prevê que os funcionários públicos com mais de 55 anos possam aceder à pré-reforma “por acordo entre o empregador público e o trabalhador”, passando a receber entre 25% a 100% da remuneração base. Qualquer pedido terá de ser autorizado pelos “membros do Governo responsáveis pelas áreas das Finanças e da administração pública”, através do ministro da tutela respetiva.

Para o sindicato dos professores, não é claro como poderá ser aplicado o diploma no que diz respeito à área da educação, tendo a Fenprof confirmado a notícia do Jornal de Notícias da semana passada que dava conta de que dezenas de professores teriam endereçado pedidos de informação aos sindicatos, com questões como a quem endereçar o pedido de pré-reforma. “Temos recebido imensas perguntas sobre o regime da pré-reforma e o que percebemos é que, depois de se ter acendido uma luz para os professores mais velhos, ela se apagou depois das palavras do ministro das Finanças e do ministro da Segurança Social”, resume Nogueira.

Sobre as declarações de Centeno e Vieira da Silva, que sublinharam que o país “não se pode dar ao luxo de ter pessoas a sair do mercado de trabalho”, Nogueira diz que os professores ficaram “muito desiludidos”. “Porque nos disseram várias vezes que o Governo não ia negociar um regime de pré-reforma para os professores, porque ia ser publicada uma lei geral para a administração pública. E agora o que nos vêm dizer é que a lei não é para aplicar, só em casos específicos”, resume o secretário-geral da Fenprof ao DN.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Educação

O regresso do «eduquês»: uma resposta

José Pacheco

É longo o cortejo de alarvidades debitadas na comunicação social por pessoas para quem as ciências da educação ainda são ciências ocultas. Arrogam-se o direito de dizer tolices sobre o que não entendem

caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)