Cultura

Estado vai mesmo deitar fora peças arqueológicas?

2.419

“Aumento colossal” de bens recolhidos no subsolo levou Direção-Geral do Património a sugerir descarte de objetos. "Grave incumprimento da lei", acusam professores da Universidade de Évora.

Diretora-geral do Património e ministra da Cultura não tomam posição sobre descarte de peças arqueológicas

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Autor
  • Bruno Horta

É um debate aparentemente circunscrito a meios académicos e profissionais, mas ameaça ganhar repercussão pública: que destino dar aos bens arqueológicos à guarda do Estado e àqueles que venham a ser encontrados, partindo do princípio de que o Estado já não tem espaço para os guardar? Neste debate, a diretora-geral do património aponta apenas uma certeza: “Não temos dúvidas nenhumas de que é uma situação sensível e tem de ser vista com muita atenção. Mas tem de ser vista. É melhor encarar a situação do que pensar que ela não existe.”

Ao Observador, na quarta-feira à tarde, durante uma visita ao Forte de Peniche — onde a partir do próximo ano ficará instalado um novo museu público, o Museu Nacional Resistência e Liberdade —, Paula Araújo da Silva não se alongou em comentários. Mas disse que “o assunto está em discussão, não está fechado”.

Não vamos fazer sair nenhum documento definitivo sem recolher contributos de todas as entidades que estão preocupadas com o assunto, tal como nós estamos preocupados. De qualquer forma, o documento final será sempre entendido apenas como manual de boas práticas”, sublinhou a responsável direta pela política museológica pública e de salvaguarda do património cultural.

Em causa está uma proposta escrita, em discussão pública até 30 de abril, em que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e o Centro de Arqueologia da Câmara de Lisboa apresentam “recomendações de boas práticas na gestão de espólios” em termos de “recolha, seleção e descarte”. É sobretudo este último aspeto que está a gerar controvérsia. O descarte implica a eliminação de bens móveis (os achados arqueológicos) através de destruição física, de despejo em lixeiras ou por meio de reenterramento no sítio da escavação, refere a proposta.

Não há referências diretas a uma nova política de descarte, mas diz-se que nos últimos 20 anos a “atividade arqueológica conheceu uma forte expansão”, principalmente em Lisboa, o que levou a um “aumento verdadeiramente colossal” no volume de bens recolhidos no subsolo. Por isso, “urge adequar as infraestruturas nacionais às reais necessidades”, lê-se. A proposta tem âmbito nacional e sugere, por exemplo, que o descarte possa ocorrer quando vestígios encontrados tenham pouco potencial para estudo científico ou exibição em museus, sejam pouco significativos, não se revistam de raridade ou já haja vestígios idênticos numa determinada coleção museológica.

“Grave incumprimento da lei”

Uma petição pública na internet, que até quarta-feira à noite tinha recolhido apenas 177 assinaturas, pede ao Estado que mande construir “ edifícios apropriados” ou que faça “parcerias” como “organismos públicos ou privados” para solucionar a falta de reservas, ou seja, de espaços onde guardar bens arqueológicos.

A petição foi criada por Leonor Rocha, professora no departamento de história da Universidade de Évora, e sustenta que o conteúdo do documento proposto pela DGPC “constitui um grave incumprimento da lei”, nomeadamente a Lei de Bases do Património Cultural, de 2001. “Aponta para um recuo dos pressupostos da atividade arqueológica para os princípios do século XX”, lê-se.

Leonor Rocha disse entretanto ao Observador que os docentes de arqueologia da Universidade de Évora “estão contra” a proposta da DGPC e em breve pretendem enviar uma carta à ministra da Cultura.

A proposta alvo de contestação foi apresentada pela primeira vez há cinco meses e resulta de conclusões de um grupo de trabalho composto por sete pessoas: arqueólogos da DGPC e da Câmara de Lisboa, da Universidade Nova de Lisboa, da empresa ERA Arqueologia S.A. e um “arqueólogo independente”. O grupo de trabalho foi criado por proposta do Centro de Arqueologia da Câmara de Lisboa.

Na capital, há vestígios do passado ocultos no subsolo ou integrados nos edifícios, sendo disso exemplo a Casa dos Bicos, o Castelo de São Jorge, o parque de estacionamento do Largo de Camões ou a loja Garrafeira Napoleão, na Rua dos Fanqueiros, de acordo com informação publicada pelo município.

Questionada na quarta-feira sobre esta matéria, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, disse estar a par, mas recusou-se a comentar, remetendo para a DGPC. Também sem tomar posição, Paula Araújo da Silva afirmou que “é preferível haver orientações do que cada um fazer o que pensa ser melhor a determinado momento”, acrescentando que a DGPC “está atenta”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

O dr. António Sousa Homem & família /premium

Maria João Avillez

Nessa noite, ao apagar a luz, com um cansaço jubiloso, feito de uma curiosidade que galopava à minha frente, surpresa sem nome e raríssimo deleite, olhei distraidamente para o relógio: era madrugada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)