Rádio Observador

Segurança

Elétricos e híbridos são obrigados a fazer barulho

Estados Unidos da América e União Europeia determinaram que o barulho produzido pelos carros que circulam em modo eléctrico não pode limitar-se ao ruído de rolamento. Vêm aí os avisadores acústicos.

Está decidido que, na União Europeia, a partir de Julho de 2021, todos os automóveis eléctricos e híbridos são obrigados a incluir um avisador acústico, cujo som emitido simulará a reacção de um motor de combustão à pressão do acelerador, com uma frequência mínima de 56 decibéis e máxima de 75 decibéis até uma velocidade de 20 km/h, sendo obrigatório que o veículo se faça ouvir mesmo que esteja a efectuar marcha-atrás.

Denominado Audible Vehicle Alert System (AVAS), este alerta sonoro varia com a aceleração, até um máximo de 1600 hertz. E, para que cumpra a função que está na origem da sua futura obrigatoriedade, não vai poder ser desligado pelo condutor.

A medida surge como resposta à necessidade de garantir uma maior segurança dos peões, especialmente as crianças, os idosos e os cegos, pois está provado que a circular a uma velocidade máxima de 30 km/h, um veículo que rode em modo zero emissões só é detectável a 8 metros, deixando ao peão apenas segundo e meio para reagir. Daí que nos EUA, a regulamentação seja um pouco mais apertada.

A National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), o equivalente à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, determinou que, até uma velocidade de 18,6 mph (30 km/h), os automóveis que circulem em modo EV, sejam eles puramente eléctricos ou híbridos, são obrigados a emitir um som artificial já em Setembro de 2020. Um ano antes disso, em Setembro deste ano, os fabricantes têm de garantir que 50% das novas unidades que têm na rua cumprem a nova regra. E é justamente por isso que, hoje em dia, qualquer construtor que tenha nos seus planos em eléctrico ou um híbrido, é obrigado a incluir de imediato no projecto aquilo a que podemos chamar de “assinatura sonora”. Algo que o Nissan Leaf, o eléctrico mais vendido no mundo, já oferece desde 2010.

É essa a razão que explica o facto de os fabricantes automóveis estarem a investir na necessária diferenciação pelo som, tal como se preocupam em criar uma identidade estilística através da iluminação. A Mercedes-AMG adiantou, por ocasião do Salão de Genebra, que se encontra a trabalhar com a conhecida banda de rock  Linkin Park para criar a “melodia” que vai distinguir o One, o seu superdesportivo híbrido plug-in, com tecnologia importada da Fórmula 1. Um carro que, apesar de virado para a performance, vai poder circular na via pública, com os seus mais de 1.000 cv e a capacidade de ir de 0-100 km/h em 2,7 segundos, podendo atingir 350 km/h de velocidade máxima. Mas o facto poder assegurar locomoção exclusivamente eléctrica, ainda que apenas durante 25 km, obriga-o necessariamente a incluir o AVAS.

Com o I-Pace, apresentado em Março de 2018, a Jaguar teve logo a preocupação de garantir que o seu SUV se faria ouvir de acordo com a regulamentação que ainda se estava a discutir. E é assim:

Já a Citroën, que tem no Ami One Concept um dos seus últimos e mais radicais protótipos eléctricos, também se preocupou em dotá-lo com a sonoridade que dentro em breve vai ser obrigatória nesta classe de veículos. Ouça-o aqui a evoluir na “estrada”:

Há muito que se vinha a discutir a necessidade de regulamentar neste sentido, com as discussões a envolverem inclusivamente os fabricantes. Mas não só não se chegava a acordo quanto ao tipo de som avisador, como alguns dos adeptos dos eléctricos alegavam que assim se estaria a eliminar uma das principais vantagens desta classe de veículos – o facto de permitirem reduzir a poluição sonora, algo especialmente evidente nos meios urbanos. Porém, é precisamente aí que reside o maior risco para os peões, especialmente quando os veículos zero emissões têm acesso aos centros históricos, onde as pessoas se passeiam e onde circulação está vedada a todas as viaturas que não circulem em modo eléctrico.

Curiosamente, a Tesla, que costuma estar na linha da frente da mobilidade eléctrica, ainda não revelou como é que os seus modelos vão responder a esta imposição da legislação. Sabe-se que o Sentry Mode permite aceder ao sistema de áudio do veículo, e colocar o volume da música bem alto para dissuadir em caso de tentativa de roubo, mas essa solução não projecta o som para o exterior, como se pretende para alertar os peões da sua aproximação. Entretanto, já há diversos fornecedores no mercado a posicionarem-se para garantir que as marcas têm no seu produto uma forma de cumprir os novos requisitos legais:

De notar que as motos eléctricas têm igualmente de cumprir esta directiva, daí que com sua a primeira proposta deste género, a LiveWire, a Harley Davidson também teve que se adaptar à nova exigência da regulamentação.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)