Foi em Milão, num certame dedicado aos motociclos e respectivos acessórios (EICMA), que a Harley-Davidson decidiu levantar um pouco mais o véu acerca daquela que será a sua primeira proposta eléctrica. Já sabíamos que o reputado fabricante de motos norte-americano se preparava para dar início à sua aventura eléctrica com a LiveWire; ficámos agora a saber a que é que isso soa…

E o som pode ser determinante para a aceitação de qualquer veículo, ou não estivesse ele relacionado com o prazer de condução. No caso da Harley, a par da imagem do produto e da cultura motard que lhe está associada, os fãs da marca apreciam o típico roncar dos V2.

Mas com a troca do motor de combustão por uma unidade eléctrica, a música passa a ser outra. Em termos de emissões, consumos, autonomia e…ruído. Vai ser assim:

A forma como os puristas vão lidar com a troca de uma ‘melodia’ por um silvo ainda é uma incógnita, sendo certo que a aceitação dependerá (em muito) do desempenho reivindicado pela nova LiveWire. Acontece que ainda vamos ter de esperar cerca de dois meses, pois só em Janeiro é que o fabricante de Milwaukee irá revelar os dados técnicos relativos à sua mais recente criação, nomeadamente motor, capacidade da bateria, autonomia, tempo de carregamento e prestações. O preço também será comunicado por essa altura, pois a abertura das pré-reservas está igualmente prevista para o início de 2019.