Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O fabricante alemão continua animado com o seu radical superdesportivo, que nasceu como AMG Project One e que hoje é apenas conhecido como AMG One. A produção está atrasada, o que não é bom sinal – embora expectável quando se ousa utilizar um motor de F1, sem quaisquer preocupações ambientais, num carro para circular na estrada. Mas a Mercedes, que já vendeu todos as 275 unidades (por 2,2 milhões de euros antes de impostos, o que para o único comprador português deverá representar cerca de 3 milhões), aproveita para revelar de forma controlada e diminuta as características do seu “avião”.

Os trunfos…

A mais recente novidade surge pela mão dos britânicos da Top Gear, que realizaram o vídeo que pode ver abaixo, onde revelaram uma série de trunfos do ousado modelo alemão. A unidade a que tiveram acesso é um protótipo e não daqueles que já circulam em testes, mas sim um dos primeiros, exposto num estúdio. Seria pouco para um modelo normal, mas não no One, cuja exuberância e sofisticação o torna num dos superdesportivos mais aguardados dos próximos tempos, ele que está previsto para 2020 e não no início do ano.

Segundo os que os alemães confessaram aos ingleses, o AMG One terá mais de 1.000 cv (mas não muito mais), o que já aqui tínhamos divulgado, bem como uma velocidade máxima de 350 km/h e a capacidade de ir de 0-100 km/h em 2,7 segundos. Três motores fazem o carro andar para a frente, um acoplado à cambota, para reforçar a potência do motor de combustão, e outros dois ligados a cada uma das rodas da frente, para melhorar o comportamento (através da vectorização do binário) e assegurar locomoção eléctrica, mas apenas durante 25 km e com tracção à frente.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.