Reino Unido

Operadoras britânicas suspendem venda do primeiro telemóvel 5G da Huawei

As operadoras britânicas Vodafone e EE não vão vender o primeiro telemóvel 5G da Huawei, o Mate 20 X 5G. Decisão foi tomada devido à "indecisão" quanto ao futuro da empresa graças à Google.

O P30 Pro é o atual smartphone topo de gama da Huawei até o Mate 20 X 5G, uma versão melhorada 5G do modelo Mate 20, chegar ao mercado. Richard Yu é o presidente executivo da Huawei Consumer BG

Andreu Dalmau/EPA

As redes 5G estão quase a chegar ao Reino Unido, à semelhança do que já aconteceu na Coreia do Sul e Estados Unidos da América. Contudo, apesar de o nome Huawei estar estritamente ligado à nova tecnologia, duas das principais operadoras britânicas — a EE e a Vodafone — não vão disponibilizar telemóveis da empresa chinesa, avançou o Financial Times e o The Verge. A medida surge depois de a Google ter cessado as relações formais com a Huawei, o que pôs em causa o futuro do sistema operativo Android nos aparelhos da marca.

Com o lançamento da nova infraestrutura de rede no Reino Unido, a EE e a Vodafone iam vender o Huawei Mate 20 X 5G, um dos primeiros telemóveis 5G que foram anunciados e o primeiro equipamento que a empresa chinesa lançou com esta capacidade. Em declarações, um representante da Vodafone britânica disse: “O aparelho 5G da Huawei ainda tem de receber as certificações necessárias”.

A EE, que é detida pelo grupo BT, uma das maiores empresas de telecomunicações do mundo, disse que não vai lançar o telemóvel 5G da Huawei, porque não pode garantir aos consumidores que vão ter uma utilização a longo prazo. “Até termos a informação e confiança que nos possa dar certeza a longo prazo (…) suspendemos o lançamento deste dispositivo”, disse Marc Allera, presidente executivo das marcas de consumo do grupo BT.

No início desta semana, várias empresas norte-americanas, como as fabricantes de chips Intel, Qualcomm, Xilinx e Broadcom, anunciaram a suspensão de entregas à Huawei devido ao bloqueio imposto pelo executivo de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos da América, no início desta semana. Ao colocar a Huawei numa espécie de “lista negra”, a empresa ficou impossibilitada de continuar acordos que tinha com empresas norte-americanas, o que já está a dificultar a expansão na empresa na disponibilização de infraestruturas 5G e noutros mercados, como o dos smartphones.

A Huawei é atualmente,uma das principais empresas a disponibilizar a tecnologia necessária para a construção de infrasestruturas 5G e a segunda maior fabricante de smartphones do mundo. Segundo o fundador da empresa, “nem daqui a dois ou três anos” outras empresas vão conseguir competir com a Huawei quanto ao 5G. A empresa chinesa já é responsável por muitos aparelhos relativos às infraestruturas de rede 4G em vários países, sendo um dos parceiros das três operadoras de telecomunicações em Portugal.

A Huawei é, neste momento, a empresa que vende mais smartphones em Portugal. Até agora, as operadoras portuguesas têm mantido a confiança na empresa chinesa. Contudo, os Estados Unidos da América, que afirmam que a Huawei é um perigo para a segurança do Ocidente, já deixaram a mensagem a Portugal: se o país fizer parcerias com empresas chinesas, a relação com os norte-americanos “vai mudar”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)