Rádio Observador

Estados Unidos da América

EUA endurece posição: relação com a Huawei afetará partilha de informação secreta com Portugal

196

Embaixador norte-americano não vê outra hipótese: se Portugal fizer acordo com Huawei para as redes 5G a partilha de informação secreta vai ter de mudar. Como? "Vai ter de mudar".

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Em fevereiro surgiu um primeiro aviso, mas agora é a doer: se Portugal fizer um acordo com a chinesa Huawei para as infraestruturas 5G os Estados Unidos vão mudar de atitude quanto à partilha de informação secretas e sensíveis. Isto apesar de Portugal ser um dos mais antigos aliados dos Estados Unidos e veterano parceiro na NATO.

A posição mais dura dos Estados Unidos — ou, se quisermos, o alargar à Huawei da posição mais forte que Washington já tinha tido em relação à OPA chinesa [falhada] sobre o restante capital da EDP — foi deixada esta quarta-feira pelo embaixador norte-americano em Lisboa, George Glass, num encontro com alguns jornalistas portugueses.

Se o relacionamento [entre Portugal e os EUA] muda? Sim, acho que tem mesmo de mudar. Portugal é o nosso segundo mais antigo aliado e não tem havido brechas entre nós há muito tempo. (…) parte disso traduz-se na partilha de informação que só podemos ter com um aliado, especialmente com aliados da NATO, a um nível que não existe com muitos países em todo o mundo. Se isso não for seguro, se os meios para a entrega [dessa informação sensível] não forem seguros, a relação tem de mudar. Temos de pensar numa nova maneira para comunicar esse estilo de informação”, avisou o embaixador.

É a primeira vez que diplomacia norte-americana é tão clara quanto à posição que vai adotar se Portugal optar pela Huawei no 5G, que é a próxima evolução das telecomunicações. “Quando fui questionado sobre isso com os [responsáveis] portugueses, respondi da mesma forma: ‘Sim, isto vai mudar a forma como trocamos informação secreta ou informação sensível”, insiste o embaixador. “Mas não significa que não sejamos aliados, que não sejamos amigos”, contrapõe.

A preocupação dos norte-americanos não surge do nada. Em dezembro, na visita do presidente chinês a Portugal, Xi Jiping, a Huawei e a Altice assinaram um memorando de entendimento para a empresa ser a primeira a criar as infraestruturas de redes 5G em Portugal. Meses depois, o gigante chinês teve de esclarecer que esta parceria não passa de um memorando, que não vincula a Altice a nada.

O que é certo é que este memorando surpreendeu os EUA, que puderam em marcha um conjunto de iniciativas para bloquear a entrada da Huawei, a começar pela vinda a Portugal do máximo responsável da Comissão Federal de Comunicações, a FCC, Ajit Pai. A FCC é a homóloga norte-americana da ANACOM.

“Houve um momento de surpresa durante a visita do Presidente Xi, quando foi assinado um memorando de entendimento sobre o 5G. Por isso viemos a terreiro sobre isso. Quer dizer, trouxemos cá o Chairman da FCC para falar sobre isto. Não sei de ninguém com mais conhecimento que eu pudesse trazer cá”, recordou George Glass. Seguiram-se reuniões privadas com o governo português e posições públicas cada mais duras. Objetivo? Fazer com que Lisboa passe a encarar esta questão não como uma oportunidade de fazer (mais) um negócio com a China, mas sim como uma questão de segurança nacional.

O embaixador George Glass considera que agora, e sublinha o “agora”, o governo de António Costa já vê o tema por esse prisma. E di-lo a propósito de declarações recentes do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa no decorrer da recente visita oficial à China, quando disse que, apesar das pressões, Portugal “está muito à vontade”, porque “o Governo português tem regras” garantir a “segurança, a isenção, a transparência”, bem como “todos os princípios próprios de um Estado de direito democrático”.

E mais, de acordo com o Presidente da República, o Estado português continua a ser “livre de escolher quem melhor cumprir as regras e quem estiver em condições de ser escolhido. Não está vinculado por acordo entre privados, ainda não se descobriu essa figura”.

O embaixador americano diz que Marcelo foi ponderado na sua declaração. Aliás, tinha dito antes, não  seria avisado por parte dos EUA — “um país que faz triliões de dólares em negócios com a China – dizer a Portugal que deve ou não fazer negócios com o gigante asiático.

“Mas a única coisa que não foi mencionada é que agora o governo em Portugal pensa que o 5G é uma questão de segurança nacional. Isso é extremamente importante para nós”, notou George Glass. E conclui: “a segurança nacional não é barata, não é fácil. Mas temos de fazer o que é melhor”.

A Huawei tem, reiteradamente, afirmado que as preocupações manifestadas por países como os Estados Unidos, relativamente a cibersegurança e ingerência do governo chinês na empresa, são infundadas. Aliás, a empresa insinua que esta pressão se deve ao facto de estar estar à frente de empresas norte-americanas no que toca à inovação de redes, e logo numa tecnologia que será a principal tendência para o futuro das telecomunicações.

George Glass desconfia. “No que toca ao 5G… eu fui banqueiro de investimento em tecnologia durante 30 anos. Isto é algo com que vivi, cresci, bebi e comi. Sou um grande crente na inovação americana, na inovação ocidental, na inovação europeia. A cena da China não é a inovação. Quando entras no caminho do 5G, onde aqueles algoritmos são criados por ti, não podes recuar”, aponta.

Ou seja, quem alinhar com a Huawei tem de aguentar um compromisso de, pelo menos, duas décadas. “Os países que entrarem por esse caminho vão perder duas décadas de inovação ocidental. Para mim, isso é um ‘crime’”, disse. O custo é apetecível, admite, mas “o produto não é assim tão bom”. “Isto não é tecnologia de ponta”.

O embaixador norte-americano tem sido muito crítico em relação à entrada da China nas infraestruturas críticas em Portugal, seja na elétrica EDP, seja na gestão das redes de transmissão energética, na REN, seja noutros setores. E tudo enquadrado na estratégia global “Belt and Road”.

“Isso não os incomoda? Não os incomoda que um país esteja a formar todas estas entidades [empresas chinesas], que as subsidie?”. E estão a fazê-lo a um ritmo frenético, diz.

“Eles apressaram a coisa, foi uma corrida para serem os primeiros a chegar ao mercado. É contrário a muitas das coisas que os chineses fazem e é interessante que o tenham feito na EDP e no 5G. Vejam bem a urgência com que eles estão a empurrar isto. Dizem: ‘Não, não. Não esperem pelo Ocidente, não vejam o [produto] que [as empresas ocidentais] estão a fazer. Optem pelo nosso, porque vamos fazê-lo barato. Subsidiamo-lo para que não vos custe muito. Subam a bordo. Porquê? Porque ainda não há questões regulatórias. O que fizeram na EDP? ‘Queremos comprar a EDP, mas tem de ser já, temos de o fazer já. Porquê? Porque ainda não há regulação contra isso”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)