Guo Ping, presidente executivo e do conselho de administração da Huawei (em rotação), é um dos 300 oradores divulgados para a edição de 2019 da Web Summit. O responsável da empresa chinesa junta-se a nomes como Brad Smith, responsável jurídico e presidente da Microsoft, Elie Seidman, presidente executivo do Tinder, ou Marc Raibert, fundador e presidente executivo da Boston Dynamics.

A vinda do executivo chinês a Portugal é divulgada depois de ter sido anunciado que a Huawei vai abrir um centro de suporte para a Europa no Parque das Nações, para o qual vai contratar 30 engenheiros. O anúncio foi feito esta quarta-feira na conta oficial de Twitter da Web Summit.

https://twitter.com/WebSummit/status/1153983424333582336

Paddy Cosgrave, o fundador e presidente executivo da Web Summit esteve em junho na China a promover as conferências que organiza: Collision (no Canadá), Rise (em Hong Kong) e a Web Summit.

Este ano são esperadas duas novas adições ao palco principal da Web Summit, com o MoneyConf a ir para Lisboa e o Venture a ter mais um dia. A conferência vai ter também dois novos temas focados nos videojogos (gaming) e no streaming (visualização de conteúdos de vídeo em tempo real através da internet, como faz o Netflix). Em 2019 há mais novidades na lista de oradores, como Randy Freer, presidente executivo do Hulu, um dos grandes concorrentes do Netflix, Fernando Machado, responsável mundial de marketing do Burger King e Nikolay Storonsky, fundador e presidente executivo do banco digital Revolut.

A Huawei, por ser uma empresa chinesa, tem estado no centro do conflito económico entre a China e os Estados Unidos da América, que continua a decorrer. Depois de um decreto executivo dos EUA, emitido no final de maio, a proibir negócios com a Huawei, pondo a empresa numa lista negra, a desconfiança teve um forte impacto internacional nas vendas.

O embargo foi entretanto levantado após o encontro do G20, no Japão, entre os presidentes Donald Trump, pelos EUA, e Xi Jiping, da China, com norte-americanos e chineses de volta à mesa de negociações para tentarem pôr um fim à guerra comercial. Contudo, estas conversas ainda estão num impasse.

Em relação a Portugal, à semelhança daquilo que têm feito com outros países, os norte-americanos alertaram para os perigos de a Huawei poder estar a utilizar a tecnologia que vende — de infraestruturas de rede e outros produtos — como método de espionagem a favor do governo chinês. A Huawei tem, reiteradamente, negado essas acusações.

A edição de 2019 da Web Summit realiza-se de 4 a 7 de novembro no Parque das Nações, em Lisboa, na FIL. Em 2018, o Governo e a Câmara Municipal de Lisboa assinaram um acordo com Paddy Cosgrave para que a Web Summit se realize em Lisboa nos próximos 10 anos.