A mais recente iniciativa promocional do Taycan posicionou o primeiro Porsche 100% eléctrico como sendo capaz de fazer 30 arranques de 0 a 200 km/h. Com este argumento, os alemães visavam (obviamente) o Model S com o sistema Ludicrous, que avisa os clientes que devem limitar os arranques a fundo, para não aquecer excessivamente a bateria e, ao fim de uns quantos, começa a diminuir a capacidade de aceleração para proteger o material.

A Porsche encara isto como uma limitação. E é, tal como é o facto de o Taycan ser consideravelmente mais lento de 0-100 km/h (3,5 segundos) do que o Model S (2,6 segundos) e substancialmente menos veloz (261 km/h para o Tesla e 250 km/h para o Porsche). Não esquecendo que, sem recorrer ao modo Ludicrous, o Model S deverá continuar a ser mais rápido do que o Taycan e pode fazer tantos arranques quantos o seu condutor quiser, se estiver para aí virado, apesar de a utilidade ser relativa…

Para piorar ainda mais a situação para o fabricante germânico neste “comparativo”, um proprietário de um Model 3, um youtuber conhecido como Tesla Trip, publicou um vídeo em que realiza 31 arranques. O método é pouco científico, tal como o utilizado pelo Fully Charged, apesar do registo mais profissional do jornalista Jonny Smith. Ainda assim, serve para provar que o Model 3, com as células 2170, resiste melhor aos esforços, daí que esteja equipado com o modo Drift.

Como se isto não bastasse, o Model 3 Performance é ligeiramente mais rápido do que o Taycan (3,4 contra 3,5 segundos), mais veloz (261 em vez de 250 km/h), com mais autonomia (530 contra 512 km, segundo o Fully Charged) e substancialmente mais barato, pois custa apenas 64 mil euros, contra os estimados 140.000€ do Taycan Turbo, o mais potente da gama.