Rádio Observador

Ambiente

Alemanha. Mais cidades sem diesel antigos

Cada vez há mais cidades alemãs com problemas em relação à qualidade do ar que os seus habitantes respiram. O número não pára de aumentar e tudo indica que Berlim e Reutlingen se vão juntar ao lote.

Autor
  • Observador

Em termos científicos, não faz sentido permitir que motores diesel circulem nas cidades – na realidade, em nenhum lado – se forem anteriores ao Euro 5, ou seja, 2009. Isto porque os motores a gasóleo prévios a esta data não estavam equipados com filtros de partículas, o que lhes permitia “mandar” cá para fora um dos poluentes mais nefastos dos motores diesel.

A Alemanha, talvez devido à ausência de costa marítima, vento e afins, sofre mais com a poluição ambiental urbana do que as nossas Lisboa e Porto, daí que várias cidades tenham já afastado os diesel mais antigos. Como se trata de um Estado federal, cada região terá os seus interesses, não esquecendo que Estugarda é a sede da Porsche e da Mercedes, enquanto Munique acolhe a ‘base’ da BMW.

Munique começou por tentar implementar medidas restritivas, mas uma ligeira melhoria na qualidade do ar, que nenhum cientista garante ser duradoura, serviu para que o partido no poder, o CSU, do primeiro-ministro Markus Söder, decidisse “atrasar” a limitação. Tal não deverá acontecer em Berlim e Reutlingen, com as restrições em ambas as cidades a serem esperadas para breve, de acordo com o Auto Motor und Sport.

Também Wiesbaden, desde 2016, está em vias de impedir a circulação aos motores a gasóleo, mas essa medida foi afastada. Tudo porque a cidade decidiu trocar a penalidade aos diesel pela aquisição de autocarros eléctricos e retrofits de veículos camarários – daqueles que estão obrigados a circular inúmeras horas por dia, logo sendo elevadas fontes poluidoras.

O tribunal administrativo decidiu, no Outono de 2018, que Essen e Gelsenkirchen passariam a impedir a circulação a motores diesel anteriores a Euro 4 a partir de 1 de Julho, para depois, a 1 de Setembro, serem os modelos abaixo de Euro 5 os visados. A curiosidade desta proibição é que, em Gelsenkirchen, até a auto-estrada A40 estava incluída na interdição, o que aconteceu pela primeira vez.

Em Estugarda já não circulam motores a gasóleo entre Euro 1 e Euro 4. E se os níveis de poluição continuarem a subir, os Euro 5 estão fora a partir da segunda metade de 2019. Em Bona e na Colónia, desde Abril que os Euro 4 não podem entrar no centro das cidades e, segundo as notícias mais recentes, os Euro 5 estão candidatos a reforçar a proibição a partir de Setembro.

Berlim não foge à polémica, tendo já fechado 11 zonas da cidade aos veículos a gasóleo entre Euro 1 e Euro 5, para carros e camiões. Mas as melhorias na qualidade do ar ainda não se fazem sentir, pelo que o objectivo é alargar a limitação a mais uma centena de secções. Hamburgo e Frankfurt também ponderam apertar a malha das restrições, para melhorar a qualidade do ar, à semelhança de Düsseldorf , entre muitas outras.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)