Os líderes parlamentares reuniram-se esta terça-feira com o presidente da Assembleia da República para marcar a posse dos deputados que foram eleitos nas últimas legislativas: será sexta-feira. A sessão parlamentar, que durará todo o dia, marcará o arranque da XIV legislatura, com novos partidos a entrarem no plenário, como o Livre, o Chega e o Iniciativa Liberal. A partir das 10 horas da manhã será a verificação dos mandatos e às 15 horas será a eleição do Presidente da Assembleia da República.

A posse dos deputados só ficou marcada depois de conhecida a decisão do Tribunal Constitucional de rejeitar as queixas do PSD e do Aliança sobre o voto dos emigrantes. Os partidos tinham reclamado sobre a contagem dos votos dos círculos eleitorais da emigração, mas o pedido foi indeferido e o mapa oficial dos resultados acabou por não ser alterado face ao que tinha sido aprovado pela Comissão Nacional de Eleições na semana passada.

A composição do Parlamento ficou, assim, oficialmente fechada. No plenário vão sentar-se 108 deputados eleitos pelo PS, 79 pelo PSD, 19 pelo Bloco de Esquerda, 10 pelo PCP e 2 pelo PEV, do CDS serão cinco deputados, quatro do PAN, um do Chega, outro do Iniciativa Liberal e outro do Livre.

Na primeira sessão deste novo Parlamento, além da tomada de posse e da inscrição dos 230 deputados, será ainda eleito (por voto secreto) o Presidente da Assembleia da República. O PS vai voltar a candidatar Eduardo Ferro Rodrigues ao cargo, tal como aconteceu em 2015, altura em que o socialista foi eleito pela maioria de esquerda quando tinha sido o PSD a força política mais votada nas eleições (e viu perder o seu candidato, Fernando Negrão, contra Ferro). Nessa altura o socialista foi eleito com 120 votos (menos dois do que a esquerda toda somada), contra 108 votos para Negrão.