O Nápoles ganhou a final da Taça de Itália na quarta-feira, frente à Juventus de Cristiano Ronaldo, o que gerou uma onda de festejos na principal cidade do sul de Itália, com grandes aglomerados de adeptos a desafiar o distanciamento imposto face à pandemia do novo coronavírus que assola Itália e o mundo.

O clube napolitano festejou a vitória à porta fechada no Estádio Olímpico de Roma, mas o apoio dos adeptos fez-se ouvir nas ruas da cidade. Em motas, com bandeiras ao alto, fogo de artifício, cânticos e buzinadelas, milhares de apoiantes do Nápoles invadiram praças sem respeitar o distanciamento físico e as regras de segurança definidas pelas autoridades de saúde para evitar a propagação do novo coronavírus.

Segundo a Agência EFE, à meia-noite italiana, havia cerca de 5 mil pessoas só na Piazza Trieste e Trento em Nápoles, onde muitos adeptos correram para a Fonte Carciofo. No Twitter, foram partilhadas várias imagens e vídeos dos festejos, que mostram aglomerados de milhares de pessoas a festejar a vitória do clube na Taça de Itália, que não acontecia desde 2014.

Entoaram-se cânticos a Maradona e a Ciro Esposito, um adepto napolitano morto em Roma na última final vencida pelo clube, em 2014. Os adeptos gritaram “quem não pula é da Juventus”, para marcar a rivalidade com o clube derrotado.

A sorte não protegeu os pouco audazes: Nápoles vence Juventus e Ronaldo volta a falhar conquista da Taça