O grupo H&M obteve um lucro antes de impostos de 2.000 milhões de coroas suecas (192,5 milhões de euros) no terceiro trimestre fiscal, registando uma recuperação “acima do esperado”, segundo resultados preliminares esta terça-feira divulgados.

“A boa receção às coleções, combinada com as rápidas e eficazes medidas tomadas, resultaram numa recuperação acima do esperado”, refere o grupo de moda Hennes & Mauritz (H&M) em comunicado. Segundo a principal concorrente da espanhola Inditex, “a política de saldos, associada a um forte controlo de custos, permitiram à companhia regressar ao lucro já no terceiro trimestre” fiscal, relativo ao período de 01 de junho a 31 de agosto de 2020.

Ainda assim, o impacto da pandemia de Covid-19 traduziu-se numa quebra homóloga das vendas líquidas do grupo sueco de 16% em moeda local, sendo o recuo de 19% após conversão em coroas suecas, para um total de 50.870 milhões (4.892 milhões de euros). “O comportamento das vendas reflete a situação da Covid-19. No início do trimestre, cerca de 900 das mais de 5.000 lojas do grupo estavam temporariamente encerradas. No final do trimestre, já só pouco mais de 200 lojas continuavam fechadas”, refere a H&M.

Os resultados finais do grupo sueco no terceiro trimestre e no acumulado de nove meses entre 1 de dezembro de 2019 e 31 de agosto de 2020 serão divulgados em 1 de outubro. No segundo trimestre fiscal, entre março e maio, as vendas da H&M tinham caído 50%, somando 28.664 milhões de coroas suecas (2.725 milhões de euros).