O PSD acusou o Governo de incumprimento no compromisso de universalização da escola digital, questionando o executivo sobre quando serão distribuídos os computadores em falta às escolas.

Num requerimento entregue no parlamento e dirigido ao ministro da Educação, os sociais-democratas recordam que, em 22 de abril, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou no parlamento que a escola “nunca mais será a mesma” e que “os recursos digitais vão começar a fazer parte das ferramentas de trabalho do quotidiano entre aluno e professor”.

“É muito mais do que ter um computador ou um tablet. É ter isso e possuir acesso garantido à rede em condições de igualdade em todo o território nacional e em todos os contextos familiares, assim como as ferramentas pedagógicas adequadas para se poder trabalhar plenamente em qualquer circunstância com essas ferramentas digitais”, referiu António Costa, em abril, altura em que o ensino à distância era a regra devido à pandemia.

O PSD recorda ainda que, em 22 de outubro, no parlamento, o ministro da Educação, afirmou que os primeiros 100 mil computadores seriam distribuídos durante a primeira quinzena de novembro.

Segundo Tiago Brandão Rodrigues, a distribuição destes equipamentos vai ser feita em primeiro lugar pelas escolas dos territórios educativos de intervenção prioritária e pelos alunos beneficiários da ação social escolar.

No entanto, de acordo com a imprensa, a 20 de novembro apenas foram entregues 25.000 computadores dos 100 mil prometidos em outubro,

Confirma o Governo que apenas foram distribuídos pelas escolas 25.000 computadores até ao dia 30 de novembro? Caso se confirme, em que Agrupamentos de Escolas foram distribuídos os computadores? Quais os critérios que presidiram à seleção das escolas?”.

Os sociais-democratas perguntam ainda “quando e onde serão distribuídos” os computadores em falta, cerca de 75.000. “Qual o planeamento da implementação das medidas de universalização da Escola Digital, nomeadamente o programa de capacitação digital dos docentes?”.