Mais de 350 arguidos, 700 advogados e cerca de mil testemunhas. O maior julgamento da máfia italiana alguma vez registado começou esta quarta-feira num tribunal com 3 mil m2 construído num parque industrial da cidade de Lamezia Terme, na Calábria, e com uma sala totalmente adaptada ao julgamento do temido grupo mafioso, a Ndrangheta, que dominava a entrada de cocaína na Europa, como explica a Sky News.

Ndrangheta podia estar sediada numa das zonas mais pobre das região, mas a verdade é que os procuradores que estiveram por detrás da acusação deste caso acreditam que esta zona se tornou um verdadeiro sindicato do crime por onde circulares milhares de milhões de dólares.

“Hoje é um dia muito importante, porque vamos processar a Ndrangheta, uma máfia que deixou de ser um grupo de pessoas que sequestrava, para se tornar uma holding do crime”, considerou o procurador do caso, Nicola Gratteri, que aos 62 anos conta com metade da vida sob escolta policial, tal a delicadeza dos processos que tem tido em mãos, alguns deles relacionados com a máfia italiana.

Segundo ele, a ‘Ndrangheta tem “quase um monopólio” das importações de cocaína para a Europa.

Itália. Pelo menos quatro chefes da máfia libertados da prisão por risco de infeção com Covid-19

A investigação começou por ser versar sobre uma dúzia de grupos ligados ao chefe da Ndrangheta, o poderoso Luigi Mancuso. Entre os crimes que serão julgados destacam-se o tráfico de drogas e armas e a extorsão. Entre os arguidos estão também alguns políticos, oficiais da polícia, empresários que terão colaborado com o grupo criminoso.

Logo na primeira sessão de julgamento, realizada numa sala adaptada ao número de participantes e à distância social ditada pela pandemia, foram precisas três horas só para dizer o nome de todos os arguidos e advogados. Mancuso continua a ser a figura central do caso, muito à semelhança da figura do “Padrinho”, mas que neste caso era conhecido como “Uncle” (tio) e que está preso há cerca de 20 anos. “The Wolf” (Lobo), “Fatty” (Gordinha), “Little Goat” (Cabrinha) and “The Wringer” (Espremedor) são algumas das alcunhas de outros arguidos.

Entre o milhares de testemunhas estão 58 que terão mesmo integrado o grupo criminoso e que violaram o rigoroso código de silêncio que ali imperava, arriscando a vida para denunciar as práticas da organização. Um deles é Emanuele Mancuso, o sobrinho do “Tio”. Também alguns membros da máfia siciliana terão colaborado na investigação.

Como muitos grupos mafiosos, Ndrangheta também está envolvido em atividades como forçar as empresas a pagarem por proteção, sequestro, corrupção política, assassinato e falsificação. Os lucros obtidos com a droga permitiram ao grupo adquirir vários negócios legais na zona para lavar dinheiro e dominar a região.

A palavra ‘Ndrangheta tem origem grega e significa coragem ou lealdade. A organização foi formada quando um grupo de sicilianos foi banido na Calábria, ainda na década de 60.