Anda a circular no Facebook uma fotografia que  acusa o Continente de ter aumentado o preço do álcool “marca branca” — ou seja, que pertence ao Continente — de 78 cêntimos para 5,29 euros. A verdade é que o álcool em causa não se trata do álcool sanitário comum a 70%, utilizado habitualmente como desinfetante e que poderá ajudar a manter as superfícies sem vestígios do novo coronavírus que já está a afetar o país. É diferente e sempre teve este custo: 5,29 euros.

Exemplo de uma publicação no Facebook com o preço de um tipo de álcool no Continente

A fotografia mostra o preço nas prateleiras de álcool da marca “Sinaga”, um tipo de álcool “utilizado para a preparação de bebidas e usos culinários”, esclarece fonte oficial da Sonae MC ao Observador. Ou seja, não é o que é utilizado para desinfetar as mãos.

Ainda segundo a mesma fonte, o preço do artigo justifica-se pelos impostos a que o produto é sujeito, o IVA e “um Imposto Especial de Consumo (IEC)”, mas nota que o produto “não sofreu qualquer tipo de alteração” no preço.

Além deste tipo de álcool específico, a Sonae MC esclarece ainda que o “álcool sanitário e álcool etílico à venda nas lojas Continente” também não sofreram alterações. Através da página do Continente online é possível encontrar o Álcool Sanitário 70% vol., da marca Continente, à venda por 99 cêntimos e da marca Hidro a 1,99 euros, por exemplo.

Na sexta-feira, foi noticiado por vários jornais, incluindo o Observador, que o Continente chegou a vender caixas de 100 máscaras por 150 euros. Fonte oficial da empresa admitiu até, em declarações ao Observador, que consideravam, agora, “o preço do fornecimento elevado” e que esse fator motivou a “retirada imediata do produto das lojas”.

O líder da oposição, Rui Rio, criticou, aliás, este sábado, quem está a tentar fazer lucro, neste contexto, com a procura de máscaras e “outros materiais essenciais ao combate ao vírus”. Se a crítica pode encaixar no preço das caixas das máscaras do Continente, o mesmo não se pode dizer no caso do álcool.

Conclusão

O álcool à venda tem mesmo o valor de 5,29 euros, mas trata-se de um tipo de álcool específico para comida e bebida e não do álcool etílico ou sanitário que habitualmente é adquirido para fazer a esterilização de utensílios ou superfícies. A Sonae MC afirmou ainda ao Observador que nenhum dos três tipos de álcool que vende “sofreu qualquer tipo alteração no valor”, pelo que a ideia de que as lojas do Continente teriam aproveitado a maior procura das pessoas por álcool para aumentar o preço de venda em seis vezes é falsa.

Segundo o sistema de classificação do Observador, este conteúdo é:

Errado

No sistema de classificação do Facebook, este conteúdo é:

FALSO: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Nota: este conteúdo foi selecionado pelo Observador no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook.

IFCN Badge