Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Das mil vagas abertas este ano no concurso de recrutamento para agentes da PSP apenas foram preenchidas 793. Nunca nada de semelhante aconteceu no nosso país. Habitualmente o número de candidatos aprovados superava largamente o número de vagas, o que levava à constituição de reservas de recrutamento, com os candidatos aprovados a ficarem como excedentários. Agora os candidatos nem chegam para preencher as vagas quanto mais para manter reservas.

Porque aconteceu isto? Algumas das explicações mais frequentes e directas prendem-se com as questões materiais, sobretudo no início da carreira: o baixo vencimento ou a colocação longe de casa. Mas não só. Basta seguir as notícias e as fúrias soltas das redes sociais para perceber que será cada vez mais difícil alguém escolher ser polícia.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.