Estado Social

A Maternidade já pode fechar? /premium

Autor
669

Quem quer manter aberta a Maternidade Alfredo da Costa deve fazer tudo para eleger um governo das direitas. Só então, voltará a maternidade a ter os defensores que teve há uns anos.

É desta vez que a Maternidade Alfredo da Costa fecha mesmo? Até ver, já está com menos três salas de parto. Muita gente, entretanto, pergunta onde está a agitação, o movimento, as iniciativas jurídicas que “salvaram” a instituição nos anos da troika? A resposta é fácil: em lado nenhum, porque no governo já não estão o PSD e o CDS, mas o PS, com o amparo do PCP e do BE. A actual oposição bem se esforça por fazer notar as carências e aflições dos serviços públicos. Ninguém parece ralar-se muito. As multidões dispostas a morrer pela Maternidade esfumaram-se no dia em que António Costa tomou posse. Com este governo, deixou de haver alarme sobre os hospitais, angústia sobre as escolas, indignação acerca dos comboios, revolta por causa da “cultura” – e no entanto, nunca o investimento público foi tão baixo, nunca os serviços estiveram tão constrangidos, e nunca a ruptura, em muitos casos, pareceu tão iminente. Porquê?

Desde a década de 1970, que as direitas democráticas se propõem aliviar o peso do Estado. As esquerdas, como em outros países, aproveitaram para lhes criar uma absurda fama de inimigos dos serviços públicos. Pior: nos últimos vinte e cinco anos, a passagem das direitas pelo poder coincidiu sempre com crises financeiras, em que foi necessário conter despesas. As esquerdas não deixaram, como seria de esperar, de atribuir cada “corte”, não às emergências, mas a um sinistro plano “ideológico” de “destruição do Estado social e dos serviços públicos”. Chegámos, assim, a isto: sempre que o PS e as esquerdas estão no poder, por pior que seja a situação, é suposto os serviços públicos estarem seguros; e quando é o PSD e o CDS que governam, por mais que façam para assegurar o seu financiamento, é claro que os serviços públicos estão a ser destruídos.

Contra esta encenação, nunca valeu a pena clamar que o PSD e o CDS contribuíram tanto ou mais do que os outros partidos para a construção e a viabilização dos serviços públicos e do Estado social em Portugal, ou que, a esse respeito, as propostas do PSD e do CDS dizem sobretudo respeito, não à existência da chamada “protecção social”, mas à maneira mais eficaz e viável de a tornar efectiva e duradoura. É que há aqui outro factor a favor das esquerdas.

Para as direitas, o Estado social e os serviços públicos são um meio de garantir condições de vida aos cidadãos e de lhes prestar certos serviços: por isso, o meio é secundário em relação ao fim. Para as esquerdas, o Estado social e os serviços públicos fazem parte do projecto político de estatização da economia e da sociedade: o meio é, portanto, a prioridade. Isto quer dizer que para as direitas, os utentes estão em primeiro lugar, enquanto para as esquerdas, quem está em primeiro lugar é a massa de trabalhadores sindicalizados do Estado. Ora, funcionários organizados prestam-se muito mais a serem usados politicamente do que utentes com pouco mais em comum do que o recurso a certos serviços. Quando os sindicatos estão satisfeitos, o nível de ruído desce, independentemente da condição dos serviços. A Maternidade Alfredo da Costa pode, portanto, fechar salas de parto, tal como outros hospitais encerram serviços e cancelam exames e cirurgias, sem consequências: é que os ordenados aumentaram e o tempo de trabalho diminuiu.

Querem os serviços públicos a funcionar, querem o Estado social bem vigiado? Votem para que haja um governo de direita. Logo que a direita esteja no poder, não faltarão os amigos da Maternidade Alfredo da Costa. Os malandros dos neo-liberais que se livrem de encerrar uma sala de parto que seja.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Austeridade

Nunca tão poucos enganaram tantos /premium

Rui Ramos
2.381

Em 2016, disseram-nos que a austeridade era uma página, e que estava virada. A austeridade, porém, não é uma página. É um livro inteiro, de que já ninguém lembra o princípio e ninguém sabe o fim.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
863

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Estado Social

São precisos mais ricos em Portugal

Francisco Coelho
1.099

Estudo da OCDE coloca dedo na ferida. Afinal qual é a ligação da riqueza e justiça social? É que sem ricos ou riqueza não há fontes de rendimento atractivas para as pessoas nem receitas para o Estado

Estado Social

Os três princípios da reta solidariedade

José Miguel Pinto dos Santos
295

Um Estado que faz mal o que deve fazer e deve fazer bem, e que faz ineficiente e deficientemente aquilo que não precisa de fazer, não é um Estado solidário, é um Estado degradante. E degradado.

Inovação

Os Pilares da Digitalização

João Epifânio

Pilar fundamental para o desenvolvimento da economia digital é a capacidade de incluir todos os cidadãos e empresas garantindo condições de igualdade de acesso à informação e a redução da infoexclusão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)