Maioria de Esquerda

Algo tinha de mudar para tudo ficar na mesma /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

Por mais simbólica que a criação da 'geringonça' possa ser, por mais português que seja o gosto que o eleitorado lhe tomou, as suas consequências não são tão claras quanto os holofotes que lhe apontam

Por receio à direita e excitação à esquerda, não se falou de outra coisa nos últimos três anos. Um pouco como a criança que muda de casa pela primeira vez depois do divórcio dos pais, Portugal entusiasmou-se com a novidade da ‘geringonça’. António Costa, com a sua humildade característica, proclamou o «derrubar de um muro» – não deixando de ser irónico que o verdadeiro Muro tenha sido derrubado por óbito daqueles a quem Costa estendeu a mão. Mas não falemos de História, continuemos na situação.

A direita temia – e a desconfiança dos mercados em 2016 justificava-o – uma aliança entre o PS e os partidos populistas. A esquerda regozijava-se com a suposta «maturidade democrática» e com um alegado «fim da austeridade», sendo ambos mitos de duração já prescrita. A «maturidade democrática» acabou na infantilidade parlamentar de quem critica os Orçamentos que aprova. O «fim da austeridade» acabou com Mário Centeno a dirigir a maior carga fiscal e a maior dose de cativações do passado recente do regime. Mas não falemos de História, continuemos na situação.

Por mais simbólica que a criação da ‘geringonça’ possa ser, por mais português que seja o gosto que o eleitorado lhe tomou – porque é tão bom dizermo-nos  de  esquerda sem estarmos em bancarrota –, as suas consequências no sistema político não são tão claras quanto os holofotes que lhe apontam. O PS não deixou de defender a pertença à União Europeia, até porque preside ao Eurogrupo, ou a pertença à NATO. Não se deram nacionalizações, reversões estruturais ou renegociações de dívida. O objetivo financeiro prosseguiu um: o défice. A bandeira económica é a mesma: as exportações.

Mas não falemos de História, continuemos na situação.

Nestes últimos três anos, entretivemo-nos a interpretar os significados cósmicos da solução de governo. Foi «um golpe de génio» (de um derrotado eleitoral) e «uma revolução» (de um partido não revolucionário). Eu, lamento, não alinho no fascínio. Hoje, a diferença do Partido Socialista face a 2011 não são as caras, o garrote mediático ou o projeto de poder. Não é sequer a dita ‘geringonça’. O que mudou no PS foi a sua assumpção total da responsabilidade orçamental. Foi António Costa, esta semana, não hesitar em considerar que baixar o IVA na energia «não é comportável». Foi Mário Centeno defender que é preciso «prevenir para futuro», como Passos avisou desde que saiu de São Bento. Foram os deputados do PS que não querem «repetir os erros» de 2010. [Margarida Marques, ex-secretária de Estado, 14/4/18].

Mais do que qualquer arranjinho parlamentar com gente de pouca coerência, esta consciencialização socialista para o rigor nas contas públicas – esta universalização do sonho «défice zero» – é uma mudança significativa no paradigma partidário. E as suas consequências afectam a direita de um modo mais letal do que o folclore ideológico anexo ao Bloco de Esquerda e ao PCP. Afectam a direita porque acabam com a divisão de PS e PSD entre  partido distribuidor  e partido  bom  gestor. Porque exigem à direita que seja mais do que um remendo para asneiras socialistas. E será ela capaz disso? Sem reconhecer os efeitos de um PS aparentemente responsável no sistema político, não creio.

Em 2019, como em 2015, valerá a máxima de Lampedusa: algo tem de mudar para tudo ficar na mesmaCosta, que não terá lido o livro, viu bem o filme. Mas não falemos de História. Continuemos na situação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
294

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Maioria de Esquerda

Um país de pantanas /premium

Alexandre Homem Cristo
1.905

Greves, negociações hipócritas e atropelos constitucionais. Eis o fim de ciclo da geringonça – no governo, no parlamento e na presidência. Quem vive de ilusões também morre pelas expectativas que gera

Maioria de Esquerda

Movimento Dividir Portugal /premium

Helena Matos
1.109

Portugal arrisca ser esfrangalhado por esta gente que trocou a luta de classes pela compra dos votos e que vê na fragmentação do país e na tribalização dos cidadãos uma fonte inesgotável de poder

Maioria de Esquerda

O plano ambicioso /premium

Helena Matos
553

Dia sim dia não, o Governo tem um plano ambicioso. Imediatamente notícias-poema anunciam os objectivos como se já fossem resultados. À espera de um governo não socialista está o plano catastrófico.

Maioria de Esquerda

Perguntar (ainda) não ofende? /premium

Helena Matos
1.011

Patrões responsabilizados pelos "olhares insinuantes" trocados entre os seus empregados. Registos e mais bases de dados. Um Estado acima da lei. Portugal está entregue aos activismos. Até quando?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)