Caso Ricardo Robles

Aqui podia morar gente séria

Autor
150

O que o episódio do desastrado Robles ensina é que Portugal continua provinciano, mas está mais bacoco e pretensioso.

O rocambolesco episódio de especulação imobiliária do ex-vereador Robles, de tão linear e comezinho, foi ridículo e fez-nos rir a todos.
Afinal, o moralismo bacoco e apregoadamente reformista do Bloco de Esquerda também é feito de apressados despejos, de despedimentos de pessoal e de muitos cifrões.
Mas o pior veio mesmo depois, quando a transformista direcção nacional do Bloco decidiu apoiar Robles e negar o óbvio pela voz de Catarina Martins.
Um momento Zen pessoal e politicamente repugnante.
E democraticamente perigoso.
Depois lá veio a “ordem de fuzilamento no pátio de trás” do patrão Luís Fazenda e um aturdido Robles, de calças na mão, definitivamente vencido (mas não convencido) passou num instante mediático, intenso e fugaz, de bestial a besta, e a esta hora já deve andar de fato de macaco em discussões de condomínio e limpeza de fachadas.
O Bloco, por seu turno, em modo de rampa deslizante, anda na toca a tratar as feridas da sova política e sociológica que levou, muito justamente, e por agora estamos conversados dessas pestes por bastante tempo.
Com efeito, como ensinava um Papa de Santa memória, isto não vai com pregões e discursos moralistas mas com propostas e exemplos de vida.
Porque um país não é um conceito, nem um slogan.
Não é uma cartilha, nem uma interpretação histórica feita ao contrário da realidade.
Um país é um povo.
Feito de pessoas.
Que se não merecem só estádios de futebol, metros quadrados luxuosos, carros de cilindrada, promoções a Formentera e mariscadas com socialites, também não podem estar condenados a um Estado socialista omnipresente e a sermões corredios e ocos de pregadores desonestos.
As pessoas merecem pessoas.
Que cuidem e se entreguem.
Que saibam o que é serviço e partilha.
Que proponham caminhos e que também os saibam trilhar.
O que o episódio do desastrado Robles ensina é que Portugal continua provinciano, mas está mais bacoco e pretensioso.
Fugiu e foge da sua história gloriosa a sete pés e vende a alma ao diabo todos os dias por pratos de lentilhas.
Anda a fazer experiências sociais e políticas fracturantes e desastradas, que, como se viu, dão más peças e maus frutos.
Desistiu de acreditar.
Está visto que é mais que tempo de Portugal se fazer outra vez ao mar da sua vida, que é o das pessoas e das famílias normais que o fazem na sua labuta e entrega de todos os dias.
Silenciosamente.
Confiadamente.
Partilhadamente.
Com os seus valores históricos e verdadeiros de sempre.
Que não são relativos.
O resto é conversa do Robles.

Miguel Alvim é advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Miguel Alvim

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

CDS-PP

O partido da liberdade

Miguel Alvim

Falta agora ao CDS apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Caso Ricardo Robles

A inferioridade moral do Bloco /premium

Alberto Gonçalves
2.287

O Bloco sempre foi um movimento de inspiração totalitária, empenhado em aproveitar as vantagens civilizacionais do Ocidente para transformar em votos as migalhas do velho ressentimento anti-ocidental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)