Rádio Observador

Caso Ricardo Robles

Aqui podia morar gente séria

Autor
150

O que o episódio do desastrado Robles ensina é que Portugal continua provinciano, mas está mais bacoco e pretensioso.

O rocambolesco episódio de especulação imobiliária do ex-vereador Robles, de tão linear e comezinho, foi ridículo e fez-nos rir a todos.
Afinal, o moralismo bacoco e apregoadamente reformista do Bloco de Esquerda também é feito de apressados despejos, de despedimentos de pessoal e de muitos cifrões.
Mas o pior veio mesmo depois, quando a transformista direcção nacional do Bloco decidiu apoiar Robles e negar o óbvio pela voz de Catarina Martins.
Um momento Zen pessoal e politicamente repugnante.
E democraticamente perigoso.
Depois lá veio a “ordem de fuzilamento no pátio de trás” do patrão Luís Fazenda e um aturdido Robles, de calças na mão, definitivamente vencido (mas não convencido) passou num instante mediático, intenso e fugaz, de bestial a besta, e a esta hora já deve andar de fato de macaco em discussões de condomínio e limpeza de fachadas.
O Bloco, por seu turno, em modo de rampa deslizante, anda na toca a tratar as feridas da sova política e sociológica que levou, muito justamente, e por agora estamos conversados dessas pestes por bastante tempo.
Com efeito, como ensinava um Papa de Santa memória, isto não vai com pregões e discursos moralistas mas com propostas e exemplos de vida.
Porque um país não é um conceito, nem um slogan.
Não é uma cartilha, nem uma interpretação histórica feita ao contrário da realidade.
Um país é um povo.
Feito de pessoas.
Que se não merecem só estádios de futebol, metros quadrados luxuosos, carros de cilindrada, promoções a Formentera e mariscadas com socialites, também não podem estar condenados a um Estado socialista omnipresente e a sermões corredios e ocos de pregadores desonestos.
As pessoas merecem pessoas.
Que cuidem e se entreguem.
Que saibam o que é serviço e partilha.
Que proponham caminhos e que também os saibam trilhar.
O que o episódio do desastrado Robles ensina é que Portugal continua provinciano, mas está mais bacoco e pretensioso.
Fugiu e foge da sua história gloriosa a sete pés e vende a alma ao diabo todos os dias por pratos de lentilhas.
Anda a fazer experiências sociais e políticas fracturantes e desastradas, que, como se viu, dão más peças e maus frutos.
Desistiu de acreditar.
Está visto que é mais que tempo de Portugal se fazer outra vez ao mar da sua vida, que é o das pessoas e das famílias normais que o fazem na sua labuta e entrega de todos os dias.
Silenciosamente.
Confiadamente.
Partilhadamente.
Com os seus valores históricos e verdadeiros de sempre.
Que não são relativos.
O resto é conversa do Robles.

Miguel Alvim é advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O rei vai nu ou tempo para outras escolhas

Miguel Alvim

O bom trabalho de toda uma legislatura do CDS não pode ser confundido com dois falsos temas, a saber, o da reposição do tempo de serviço dos professores e o da malfadada passadeira lgbt de Arroios.  

Eleições Europeias

Notas breves sobre a grafonola

Miguel Alvim

As pessoas acabam por assistir com mais ou menos gozo a esta parada das campanhas, porque é como a Volta a Portugal em bicicleta ao passar na terra. Não se cobra bilhete, há barulho e luzes que bastem

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)