Rádio Observador

caderno de apontamentos

Coaching nas escolas: uma luz ao longo do túnel /premium

Autor
  • Mafalda Lapa
1.882

Não acredito em “maus alunos” nem em “alunos incapazes”. Acredito que há alunos que ainda não descobriram o seu potencial. Somos todos diferentes, mas a escola trata, demasiadas vezes, todos por igual

A escola é um local onde se aprende, se descobrem vocações e se esboça o futuro. Se ajudamos os alunos a aprender, porque não ajudamos também a traçarem o seu próprio caminho?

A escola deve ser um lugar onde a informação se transforma em conhecimento com significado útil para a vida académica, profissional e pessoal, mas isso nem sempre acontece. Com projetos construídos pelos alunos, aulas alicerçadas nas vivências e experiências de cada um, e a exigência aliada ao respeito, conseguiremos ter alunos motivados, empenhados em construir um percurso profissional sólido, flexível e próprio. Só assim conseguiremos criar cidadãos conscientes e ativos na mudança.

Os jovens passam a maior parte do dia na escola e são frequentemente os professores que se apercebem das necessidades dos alunos. Nas escolas, deparamo-nos muitas vezes com resultados escolares insuficientes, alunos alheados, que não entendem o propósito das aulas, que estão sistematicamente cansados e desmotivados, distraindo-se facilmente. Não se acham suficientemente competentes em algumas disciplinas (quem nunca ouviu a expressão “eu não sou bom a matemática” ou “eu não consigo fazer uma apresentação à frente da turma”?) e, por isso, não se sentem encorajados a aprender. A falta de autoestima de muitas crianças e adolescentes também os torna menos capazes, conduzindo muitas vezes a um grande sofrimento que, ora extravasa sob a forma de comportamentos agressivos e inadequados, ora se manifesta através de um silêncio profundo e de uma espiral de onde o aluno, sozinho, não consegue sair. Mas precisamos de crianças e jovens conscientes, empenhados no seu percurso e felizes, para que isso se reflita também na sociedade. O que podemos fazer?

Sou professora e coach. Dinamizo aulas de desenvolvimento pessoal na escola onde leciono. É uma das atividades mais transformadoras a que me dedico no Gabinete de Integração do Aluno (GuIA). Foi uma das estratégias que encontrei para ajudar os alunos. Não acredito em “maus alunos” nem em “alunos incapazes”. Acredito que há alunos que ainda não descobriram o seu potencial. Somos todos diferentes, mas a escola trata, demasiadas vezes, todos por igual. No mercado de trabalho pretende-se que tenhamos funções adaptadas ao nosso perfil mas, na escola, isso poucas vezes acontece. Neste gabinete os alunos são atendidos de forma personalizada, e os problemas de cada um transformam-se em desafios que o próprio irá resolver. Existem também projetos de grupo que pretendem dar sentido ao que se aprende na escola. Nestes projetos é dada responsabilidade aos alunos que trabalham de forma colaborativa, estimulando o pensamento crítico, a curiosidade, a capacidade de resolver problemas e conflitos, a empatia, a gratidão. Ouvimos os nossos alunos e, quando sentimos que precisam de aprender sobre alguma temática que não se aprende usualmente na escola, oferecemos formação nessa área. Estas áreas abrangem temas variados como, por exemplo, como estudar (os alunos não nascem a saber estudar) e como comunicar (aprendemos a falar na infância, mas comunicar é muito mais que falar), ou o que distingue as pessoas com sucesso das que não o conseguem, entre muitos outros.

A existência de sessões de coaching na escola permite que os adolescentes se tornem ativos na gestão do seu percurso e eficientes na transformação da sua vida pessoal e académica. A minha experiência com várias centenas de jovens com quem já trabalhei, em gabinete, é que um processo de reflexão assistida por um coach pode apresentar vantagens significativas. Pode ajudar a desbloquear crenças que impedem o aluno de progredir (foi o que aconteceu com o João, um aluno que não conseguia fazer apresentações aos colegas que, no final de 10 sessões, pediu para dar uma palestra para a escola e está, neste momento, a frequentar um curso universitário onde a comunicação é essencial). Pode aumentar competências de planeamento e organização que os alunos vão usar na sua vida académica e também, mais tarde, na profissional (foi o que aconteceu com o Miguel, que tinha resultados baixos porque não se organizava para incluir momentos de estudo intercalados nos de lazer e, não só acabou o secundário com uma média brilhante, como ainda hoje, no mercado de trabalho, usa as ferramentas que aprendeu). Contribui, sobretudo, para o aluno se conhecer melhor, ter noção de onde está, para onde quer ir e do que fazer para lá chegar.

Já vi como o processo de coaching pode manter os alunos motivados, ensinar a aprender mais depressa e a reter o que aprendem (foi o caso da Maria, que estudava muitas horas mas não tinha resultados, e passou a estudar menos mas de forma mais eficiente). Alguns alunos desenvolvem significativamente a capacidade de priorizar tarefas e atividades de forma mais eficaz. Outros aprendem a vencer o vício da procrastinação (como o caso do Salvador que, cada vez que tinha um teste, punha em dia temporadas seguidas da sua série preferida). O coaching é uma prática que pode ser levada às escolas à semelhança do que começa a acontecer no ensino superior e tecido empresarial. E a Autonomia e Flexibilidade Curricular são um excelente habitat para isso acontecer.

O coaching é uma ferramenta que pode ajudar os alunos no presente e no futuro. O Fórum Económico Mundial prevê que ainda não existem 65% das profissões que serão desempenhadas pelos alunos que entraram na escolaridade obrigatória em 2016. Prevê também que, em média, os nossos jovens terão 7 empregos e até 3 funções diferentes ao longo da vida. Acredito que, no futuro, os alunos tenham mais liberdade para escolher os projetos/ conteúdos que querem abordar e mais responsabilidade a moldar o seu futuro. Provavelmente vão escolher as atividades em que querem participar, aprender de forma personalizada com experiências no terreno (estágios e trabalho com profissionais de várias áreas), envolvendo-se ativamente na construção do seu percurso. A existência de um coach que os acompanhe, desafie e apoie poderá ser uma ferramenta determinante. Nessa altura, é minha crença que teremos níveis de insucesso mais baixos, crianças e jovens criativos, verdadeiramente inspirados e capazes de mudar o mundo para melhor. Porque não começar já hoje a trabalhar para esse futuro?

Professora na Escola Básica e Secundária da Cidadela onde coordena o Gabinete de Integração do Aluno (GuIA) e a Estratégia de Educação para a Cidadania. Foi Prémio Ciência Viva Montepio Educação 2016 e Finalista da 2ª Edição do Global Teacher Prize Portugal.

‘Caderno de Apontamentos’ é uma coluna que discute temas relacionados com a Educação, através de um autor convidado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Educar mesmo /premium

Miguel Abranches Pinto
187

O debate sobre a educação cairá sempre na necessidade de uma presença adulta, sendo aqui que se joga o diálogo da família com a escola, para que o jovem possa crescer e afirmar a sua personalidade.

caderno de apontamentos

Educar para o futuro /premium

Eduardo Marçal Grilo
716

Os jovens portugueses nada devem temer na sua comparação com os de países mais avançados tecnologicamente, mas para poderem “voar” têm que ganhar mundo, ser pró-ativos e não ter medo do futuro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)