Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Imagine que nas eleições legislativas de 2019 um partido com mais de 10% dos votos obtinha menos de 2% dos deputados no parlamento, digamos 4 em 230. Poucos aceitariam este resultado. Estamos, e bem, habituados à ideia que a representação democrática está associada a algum grau de proporcionalidade entre votos e mandatos. Porém, os resultados das eleições britânicas ilustram precisamente este caso. O partido liberal democrata (PLD) que poderia desempenhar um importante papel no futuro do Reino Unido — entre a voragem esquerdista nacionalizadora do velho trabalhista Corbyn e a deriva conservadora, inconstante e desonesta de Boris Johnson — teve 11,5% dos votos e apenas 1,7% dos mandatos.

O sistema inglês tem um segundo demérito. Os líderes partidários são candidatos únicos na sua circunscrição eleitoral. Se sofrem derrota em mandatos (não em votos) e não são eleitos não lhes resta senão demitirem-se (o que aconteceu com Jo Swinson líder do PLD).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.