Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Desde que a geringonça assumiu a governação que a direita apresenta baixa expressão eleitoral, algo que as eleições legislativas de 2019 vieram confirmar. O definhamento eleitoral da direita nas eleições não é, porém, causa, mas consequência de uma complexa dificuldade de afirmação cultural, com raízes profundas, e que merecem reflexão.

A crise que se vive é, desde logo, de representação. É justo ressalvar que os problemas a este título são fenómenos transversais a todo o sistema político, mas é visível que estão mais presentes nos partidos à direita do PS. Nos últimos anos, quer o PSD, quer o CDS, foram capturados por cliques partidárias acantonadas em fações rivais que protagonizam lutas fratricidas, cujas motivações só são percetíveis por quem conheça as tricas e o historial de poder dos respetivos partidos. A autofagia é por estes dias mais visível no CDS, onde uma coligação negativa de “deplorables” do “Portismo” persiste em digladiar-se sem pudor com os seus antecessores sem que o seu eleitorado natural perceba bem porquê. Mas está também bem presente no PSD, onde há vários anos, as fações dominantes, sem qualquer renovação, alternam entre si na liderança, destruindo capital e relevância social sempre que há uma alteração no comando do partido. Basta atender ao que tem sido a instabilidade no PSD desde o fim do barrosismo, que só o exercício do Poder, por parte de Pedro Passos Coelho, conseguiu suspender e adiar. PSD e CDS cada vez exercem pior a sua função de representação, não sendo hoje claro quem são os segmentos da população que constituem a sua estrutura social. Cada vez mais as cúpulas dos partidos são preenchidas por políticos sem qualquer densidade intelectual, técnica, relevância social, ou capacidade de mobilização. A erosão tem sido lenta, mas nem por isso menos persistente, tendo aberto o espaço para a emergência de novos partidos, de nicho, que disputam o seu eleitorado.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.