Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Correram mundo as declarações do Papa Francisco de que seria um disparate – ‘una tonteria’ – a proclamação de um dogma que declarasse Nossa Senhora corredentora. Como é sabido, os últimos dogmas proclamados pela suprema autoridade eclesial foram marianos: em 1854, foi proclamada a sua imaculada conceição, ou seja, que Maria, por um especialíssimo privilégio, foi concebida sem pecado original; e, em 1950, quase um século depois, foi declarada a sua assunção ao Céu, em corpo e alma.

Como em geral acontece quando o Papa Francisco faz alguma declaração mais espontânea, também agora não faltaram vozes críticas a propósito desta alegada falta de respeito e de devoção pela Mãe de Deus. Algumas pessoas até entenderam que a atitude do Papa Francisco raiava a heresia, na medida em que parecia negar a especial participação de Nossa Senhora no mistério da salvação da humanidade.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.