Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

1É difícil encontrar um político que consiga resistir à propaganda quando sabe que a sua imagem ficará associado a algo que é histórico. O facto de não ser o responsável sobre o acontecimento que é objeto da propaganda nunca foi nem será impedimento para qualquer político que se preze.

Vem isto a propósito do início do processo de vacinação contra a Covid-19 — um processo que representa uma grande esperança para a humanidade derrotar o ‘bicho’ mas que em Portugal se tornou um espetáculo deprimente de propaganda pura e dura com Marta Temido como protagonista.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.