Rádio Observador

Venezuela

O Bloco nada tem a dizer sobre a Venezuela? /premium

Autor
2.683

Como todas as outras experiências socialistas do século XX, o socialismo na Venezuela acabou numa ditadura, na pobreza, na miséria e com refugiados a fugirem para países capitalistas.

1. O Bloco de Esquerda e muitos dos seus camaradas das ruínas socialistas, sobretudo os que trabalham no Centro de Estudos Sociais na Universidade de Coimbra, passaram anos a defender e a elogiar o regime chavista na Venezuela. A Venezuela de Chávez simbolizava a resistência ao “imperialismo” norte-americano. Lembro-me muito bem como as nossas esquerdas, durante a primeira década deste século, não perdiam uma oportunidade para elogiar Chávez e atacar George W. Bush.

O “chavismo” também era visto como um modelo para países europeus como Espanha e Portugal. Era o socialismo do século XXI. E a verdade é que há mesmo socialismo na Venezuela. Chávez começou por partidarizar as Forças Armadas. Depois controlou a comunicação social. Nacionalizou as grandes empresas dos sectores económicos mais importantes do país. Por fim, o seu sucessor, Nicolas Maduro, violou direitos humanos de uma forma sistemática, colocou adversários nas prisões, apenas por razões políticas e ideológicas, e executou golpes constitucionais.

Qual foi o resultado do socialismo na Venezuela? Fim do Estado de direito, presos políticos, poder quase absoluto do Estado, conflitos e pilhagens nas ruas, pobreza extrema, fome e agora milhares de refugiados. Vale a pena comparar o regime socialista da Venezuela com os governos capitalistas da vizinha Colômbia, governada há mais de uma década por presidentes de centro-direita. Enquanto na Venezuela o regime agravou os confrontos internos, os governos burgueses da Colômbia estão a construir a paz. Na Venezuela, o regime impôs uma ditadura; na Colômbia a democracia consolidou-se. A pobreza aumenta na Venezuela. A Colômbia está a caminho de se tornar na segunda maior economia da América do Sul. Entende-se que os antigos partidários do chavismo tenham dificuldades em defender o legado socialista na Venezuela.

Há um ponto que deve ser sublinhado. Chávez e Maduro não se afastaram do socialismo. Pelo contrário, eles implementaram mesmo um regime socialista. Como todas as outras experiências socialistas do século XX, o socialismo na Venezuela acabou numa ditadura, na pobreza, na miséria e com refugiados a fugirem para países capitalistas.

2. A reação do Bloco e do PCP à comunicação de Mário Centeno a propósito do fim do programa de ajuda à Grécia foi mais um dos habituais exercícios de hipocrisia das esquerdas marxistas desde que apoiam as políticas da Zona Euro. Centeno não disse nada de novo nem se afastou um milímetro do que tem sido a sua actuação como ministro das Finanças desde 2015. Não sei onde está a surpresa. Centeno é um ortodoxo em matéria de políticas orçamentais e fiscais. Se não fosse, não teria sido escolhido para presidente do Eurogrupo.

No essencial, Centeno pensa como Vítor Gaspar. Ou, pelo menos, está muito mais próximo do antigo ministro das Finanças de Passos Coelho do que está do Bloco ou do PCP. Não é segredo para ninguém. E as esquerdas radicais sempre o souberam desde o dia em que apoiaram este governo. Uma das grandes fraudes da política portuguesa desde 2015 é o apoio do Bloco e do PCP a um governo com um ministro das Finanças que pensa e age como Vítor Gaspar. Obviamente, Centeno tem sido um elemento central nessa fraude. Ataca o programa de austeridade do governo de Passos Coelho em Portugal, mas defende um programa ainda mais duro na Grécia.

O político cujas palavras tanto ‘indignaram’ as extremas-esquerdas é o mesmo que faz os orçamentos que o PCP e o Bloco aprovam no Parlamento. Deixo um desafio aos deputados bloquistas e comunistas. Estão indignados com as palavras de Centeno sobre a Grécia? Então votem contra o último orçamento deste governo. Se não o fizerem, as palavras de Centeno são também as vossas palavras.

A Venezuela mostrou a incapacidade dos nossos marxistas para defender um regime socialista. Como os entendo. O apoio aos orçamentos de Centeno mostra a sua disponibilidade para votar a favor de políticas financeiras ortodoxas. Bem-vindos ao neo-liberalismo, camaradas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
315

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Política

Os idiotas úteis da esquerda /premium

João Marques de Almeida
1.425

Pacheco Pereira e Marques Lopes querem fazer carreira na comunicação social como os cronistas de direita que atacam a direita. Eles querem ser a “direita” que a esquerda gosta.

Igualdade

Mulheres no poder /premium

João Marques de Almeida
304

O feminismo transformou a causa justa da igualdade de oportunidades na visão radical da “igualdade de género”. A igualdade de género é um disparate, é falsa e visa alcançar outros objectivos políticos

Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos
386

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)