Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Porque vamos ter de discutir a eutanásia e não o funcionamento do SNS? Porque é que o assassínio de um estudante cabo-verdiano em Bragança começou por ser apresentado como racismo e agora é racismo dizer que essa morte pode ter tido motivação racial? Porque vivemos a toque de emergências, ora da fome, ora do clima, ora da gentrificação, aprovando legislação cujo impacto na vida das pessoas comuns ninguém avalia?…

A última vez que esta agenda foi contrariada foi em Maio de 2018, quando se debateu no parlamento a eutanásia, e mesmo assim para tal ser possível foi necessária a posição do PCP que não só votou contra como tornou mediaticamente aceitável ser-se contra este novo desígnio do progressismo. Obviamente fomos logo informados por Catarina Martins que o assunto voltaria em breve à discussão e que, como quem cumpre uma ordem natural subjacente aos factos, a eutanásia há-de ser aprovada.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.