Crónica

Parem de falar sobre o Sporting /premium

Autor
1.821

Nunca vi no Brasil, o famoso país do futebol, uma questão relativa ao esporte que tomasse tamanhas proporções como a do caso de Bruno de Carvalho no Sporting.

Ao contrário do que pode parecer, sou uma mulher que gosta muito de futebol. Trabalhei como advogada na área do direito desportivo, frequento o estádio, acompanho campeonatos europeus e latino-americanos, assisto jogos do campeonato brasileiro de madrugada, por conta do fuso horário. Longe de mim ter um discurso anti-futebol.

Mas confesso que estou mesmo assustada com as proporções que a situação do Sporting tomaram nas últimas semanas, ocupando uma parcela brutal dos telejornais, jornais impressos e online, redes sociais, mesas de bar, jantares e conversas no sofás de sala.

Conheço bem, por já ter trabalhado nos bastidores do futebol, a complexidade que impera nas políticas internas dos clubes. As trocas de favores, as promíscuas relações com os políticos, os interesses escusos e tantas outras coisas que não deveriam ter nada a ver com o esporte, mas que têm muito a ver com o poder e o dinheiro que rondam o futebol. Sei que é um cenário difícil.

Mas não é possível que a situação político-administrativa de um clube de futebol ganhe tantos holofotes a mais do que os debates acerca da legalização da eutanásia, do que a estreia de “O Labirinto da Saudade” nos cinemas, do que a feira do livro de Lisboa, do que a chegada da época dos incêndios e do que toda política internacional.

Bruno de Carvalho passou a protagonizar todo o horário nobre, como se esse fosse o assunto que mais preocupa todos os portugueses e que merece horas e horas de atenção de torcedores do Sporting, do Benfica, do Porto, do Belenenses, do Marítimo ou do Gil Vicente, bem como daqueles que simplesmente não ligam para futebol.

Nunca vi no Brasil, o famoso país do futebol, uma questão relativa ao esporte que tomasse tamanhas proporções. Nem nos tempos de Mustafá no Palmeiras, de Dualib no Corinthians, de Juvenal Juvêncio no São Paulo ou de Eurico Miranda no Vasco. Sim, tivemos escândalos. Tivemos pancadaria. Tivemos patrocinadores em polvorosa. Mas nunca reduzimos nosso debate a isso.

O mais impressionante é que Portugal é um país culto- muito mais culto do que o Brasil. E a política do pão e circo, em tese, funciona bem melhor lá do que aqui. Mas, nas últimas semanas, chega a parecer o contrário. É preciso falar menos do Sporting.  Até porque, se os incêndios recomeçarem, não será Bruno de Carvalho quem apagará o fogo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

O que resta do meu Brasil /premium

Ruth Manus
301

Atravessaremos as labaredas, protegeremos uns aos outros e, num dado momento, reconheceremos o Brasil. O Brasil da fruta doce, do samba e da poesia. 

Crónica

Elogio da Água

Carlos Lemos

Esta água é a mesma que vem das chuvas: a água que cria, que revitaliza, que regenera. Imagem perfeita do devir e do retorno, a água retoma o seu ciclo, na viagem que empreende entre o Céu e a Terra.

Crónica

A Parábola, a Pintura e o Pródigo

Filipe Samuel Nunes

O Filho Pródigo de Rembrandt alerta que a diferença masculino/feminino é essencial no quotidiano. E que os desdobramentos desta complementaridade nos comportamentos são absolutamente desejáveis.

Crónica

As aventuras da coerência /premium

Paulo Tunhas

Até certa altura pensei que a chamada “esquerda” era depositária da tradição de liberdade e garantia da democracia. Mas uma observação das suas reacções políticas mostra algo diferente e inquietante.

História

As oito reflexões de Hideyoshi

José Miguel Pinto dos Santos
142

Não será que hoje se age, fala e se publicam tweets depressa demais? Se se toma uma decisão irrefletida e danosa, ao menos que haja coragem moral para se retificar o que houver a retificar. Ao menos.

Crónica

O verde dos Açores, neste Outono vivo /premium

Laurinda Alves
1.544

A Terceira é tudo isto e bem mais, uma de nove ilhas onde não há lixo no chão, onde todos os campos estão impecavelmente tratados e cada horta, pasto ou lameiro parece não ter uma planta fora do lugar

PSD

Um eleitor de direita em 2019 /premium

João Marques de Almeida

Rui Rio comete um erro enorme: pretende impor uma pureza ideológica que o PSD nunca teve. Não há qualquer problema no PSD ser também social democrata. O problema é o PSD ser apenas social democrata.

Bloco de Esquerda

Burros de carga /premium

Helena Matos

“Os empresários portugueses são burros”, afirmou uma delegada à convenção do Bloco de Esquerda. Está a senhora cheia de razão: só num país de burros a subserviência para com o Bloco se tornaria lei

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)