Lisboa

Portagens e transporte público

Autor
  • Luís Campos e Cunha
183

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam os equipamentos da cidade.

Portagens à entrada de Lisboa são necessárias, justas, simples e eficientes.

Há umas semanas Fernando Medina, Presidente da Câmara de Lisboa (CML), propôs que os passes para os transportes públicos baixassem significativamente de preço. Pode ser uma boa medida, uma vez que diminui os custos de congestionamento em Lisboa, reduz a poluição e transforma para melhor a Cidade. Se os beneficiários são os lisboetas, devem ser eles a pagar o subsídio aos passes, o que não estaria na sua intenção, possivelmente. Em qualquer caso, algo mais tem de ser feito como complemento ou como substituto à sugestão de Presidente Medina.

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam (e congestionam) os equipamentos da cidade pagos com dinheiros que pertencem aos lisboetas. Ou seja, são centenas de milhares de carros de cidadãos que nada contribuem para os equipamentos que utilizam em Lisboa, em grande parte pagos por fundos que pertencem aos lisboetas.

Se, por exemplo, cada viatura que entrasse em Lisboa pagasse um euro, seria uma receita da autarquia que contribuiria para o pagamento e manutenção dos equipamentos e compensaria os custos de congestionamento que impõem aos residentes de Lisboa. Portanto, tal medida justifica-se pelo princípio do utilizador-pagador.

Segundo, teria o efeito, a prazo, de incentivar o aumento dos residentes em Lisboa. Ou seja, não deixaríamos a cidade entregue só a turistas e residentes não permanentes e diminuiria a desertificação de Lisboa como cidade.

Terceiro, incentivaria a partilha do carro privado e a utilização dos transportes públicos, como deseja (e  bem) Fernando Medina.

Por último, com o Tejo, a CRIL, o Eixo Norte-Sul e Segunda Circular, Lisboa tem um número de entradas na cidade facilmente controláveis. Mais ainda, desde que criaram as portagens virtuais para as SCUT´s, temos a tecnologia para facilmente se aplicar tal medida. Ou seja, a aplicação das portagens à entrada de Lisboa é tecnicamente possível e simples.

Tipicamente, o contra-argumento é: as viaturas que entram em Lisboa já pagaram a portagem em Alverca da A1, ou a portagem da Ponte 25 de Abril,… e isso não resolveu nada. Este contra-argumento é falacioso, no mínimo. Primeiro, essas portagens são receitas do concessionário pelo serviço de manutenção desse equipamento e não da Cidade de Lisboa; segundo, quem vem de Setúbal para Sintra paga essas portagens mas não pagaria as portagens de Lisboa, porque não utilizaria equipamentos suportados pela CML; por último, as portagens à entrada de Lisboa não seriam em Alverca ou em Almada, seriam à saída de Loures ou na saída de Alcântara para entrar na cidade.

A medida proposta por Medina de reduzir o preços dos passes dos transportes públicos associada a esta proposta de portagens na cidade teria um efeito muito positivo na vida da cidade de Lisboa. Durante o dia seria menos congestionada e durante a noite não seria um semi-deserto.

Um dia, tal vai acontecer, porque não já? Os lisboetas votariam em massa em Fernando Medina e ainda há tempo antes das próximas autárquicas!

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Propinas, 44 anos depois...

Luís Campos e Cunha
1.718

A estupidez das propinas zero não tem limites. Há a esperança de haver outro ministro até lá, mas a incerteza continuará por muitos anos, dificultando estratégias de desenvolvimento do ensino superior

Política

Fascismo e salazarismo

Luís Campos e Cunha
1.650

Salazar não era revolucionário como o fascismo, era conservador. Era mesmo avesso ao progresso industrial, era reacionário, via a felicidade do povo na ruralidade: cada família com a sua junta de bois

PGR

Joana Marques Vidal

Luís Campos e Cunha
116

Há bons argumentos para mandatos longos e únicos para funções públicas como a de PGR. Mas há um diabo de um detalhe: é que tem de estar claro, na lei, desde o início, que o mandato é único. E não está

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)