Web Summit

Quem convidou Marine Le Pen? /premium

Autor
201

Ao tentarem criar um tabu sobre as migrações, as elites europeias criaram Marine Le Pen, Gert Wilders e os outros. Talvez a voz deles não chegue ao céu, mas já quase chegou ao Web Summit.

Marine Le Pen foi desconvidada pelo Web Summit, e os comentadores nacionais dedicaram-se durante uns dias a determinar o exacto significado da retirada do convite: “censura politicamente correcta”, ou “resistência anti-fascista”? Acontece que antes de ser desconvidada, Le Pen foi convidada, e é esse o grande facto desta história. Há anos que toda a Europa bem-pensante está unida em oração e em gritaria contra a líder da ex-Frente Nacional. Como é possível ter constado da lista de convidados do Web Summit? O Web Summit é para os Bono e os António Guterres. No Web Summit, nenhuma opinião pode ofender, e só se pode dizer mal do Trump. Como é que o nome de Le Pen apareceu entre os oradores?

Poderá ter-se tratado de um golpe publicitário: “como é que pomos a malta a falar do Web Summit em Agosto?” “Olha, tenho uma ideia: convidamos a Le Pen, e depois desconvidamo-la”. Talvez tenha sido isso, mas mesmo que tenha sido só isso, é significativo. O ponto é que acabou o tempo em que podíamos esquecer Le Pen. Em 2002, quando o pai Le Pen chegou à segunda volta das presidenciais, obteve 17,8% dos votos. Em 2017, a filha teve 33,9%. Não é possível ignorar para sempre a escolha de um terço dos eleitores franceses. Tal como já não é praticável fingir que a Alternativa para a Alemanha não é o terceiro maior partido alemão, ou que Geert Wilders não lidera o segundo maior partido holandês, ou que a Áustria e a Itália não são governadas por partidos próximos de Le Pen, ou que até o Syriza não manda na Grécia em aliança com a “extrema-direita” nacionalista (fazem-se “geringonças” com muitos ingredientes).

Sim, haverá nostálgicos do fascismo nesses partidos, tal como há nostálgicos das tiranias comunistas nos partidos da esquerda. Sim, os seus líderes gostam de tirar fotografias com Vladimir Putin. Sim, são soberanistas e proteccionistas. Não é no entanto porque 33,9% dos franceses desejem a ressurreição do fascismo, o fim da UE ou o avanço de Putin que ouvem Le Pen ou votam nela, mas porque as elites europeias, da esquerda à direita, decidiram entregar a Le Pen ou a Wilders o exclusivo de falar sobre aquela que é, manifestamente, a questão fundamental para os eleitorados, porque é essa questão que explica a subversão “populista” dos velhos sistemas de partidos: a transformação das sociedades da Europa ocidental através das migrações descontroladas das últimas décadas.

Nada nesta questão é fácil. Mas talvez fosse possível examiná-la e discuti-la com um pouco mais de serenidade. Só que na Europa oficial, a regra continua a ser a de tratar como prova de “racismo” a mais pequena dúvida sobre o afluxo caótico e ilegal que, em poucos anos, mudou a composição da população nas grandes cidades. Com ou sem razão, muitos europeus sentem que se passou além da “diversidade”, geralmente aceite, e que começam a estar em causa a coesão e o sentido das sociedades em que vivem. As elites, porém, não admitem maus pressentimentos. Para acabar a conversa, citam a quebra demográfica, como se só pudesse ser resolvida através da importação de população,  ou invocam uma suposta culpa histórica, que tivesse de ser expiada através da renúncia dos europeus ao direito a viver em Estados com identidades e culturas nacionais específicas – direito todavia reconhecido a todos os outros povos. Douglas Murray explica tudo isto em A Estranha Morte da Europa.

Ao tentarem criar um tabu sobre as migrações, as elites europeias criaram Marine Le Pen e os outros. Talvez a voz deles não chegue ao céu, mas já quase chega ao que, na terra, é mais parecido com o céu, o Web Summit, onde alguém, para ouvir Le Pen ou para que falassem do Web Summit, se lembrou de lhe dar palco. Quem convidou Le Pen? As elites europeias, da esquerda à direita.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Austeridade

Nunca tão poucos enganaram tantos /premium

Rui Ramos
2.381

Em 2016, disseram-nos que a austeridade era uma página, e que estava virada. A austeridade, porém, não é uma página. É um livro inteiro, de que já ninguém lembra o princípio e ninguém sabe o fim.

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
1.251

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Inovação

Os Pilares da Digitalização

João Epifânio

Pilar fundamental para o desenvolvimento da economia digital é a capacidade de incluir todos os cidadãos e empresas garantindo condições de igualdade de acesso à informação e a redução da infoexclusão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)