Rádio Observador

Governo

Quem quer casar com um governante? O reality show de António Costa

Autor
1.420

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Estou condoído com as dificuldades que António Costa tem atravessado para compor e recompor o seu Governo. Tem sido um vai-vem de Ministros e Secretários de Estado, um entra-e-sai de governantes, uma lufa-lufa de substituições que atordoa o mais pacato dos espectadores!

Eu ainda não me tinha pronunciado sobre o tema porque estava falho de ideias acerca da estabilidade e da pacificação no seio do Executivo para partilhar com António Costa, talvez porque tenha demorado a compreender o padrão – mas creio que agora percebi.

A pobre Constança não foi despedida apenas por incompetência da própria e pela pressão do Presidente da República, não! Azeredo Lopes não foi substituído por se ter esquecido de trancar a porta do paiol, nada disso! E nem Adalberto nem Leitão Marques eram maus funcionários nem costistas não-praticantes! O problema foi essencialmente outro e foi no programa da Cristina que me apercebi dele – António Costa é um homem de família.

Ser um homem de família – sublinhe-se bem – é uma enorme qualidade e dentro de certos parâmetros um comportamento a defender e preservar. Significa que cuidamos dos nossos em primeiro lugar, que pomos todos os interesses em posição subordinada aos do nosso núcleo mais próximo e quer dizer que iremos sempre amar e defender o nosso contingente mais íntimo contra tudo e contra todos – incondicionalmente.

E foi assim que me ficou claro, subitamente, que o Primeiro-Ministro é, para além do seu núcleo familiar stricto sensu, também o pater familias do Governo socialista, o bom chefe de família que em tempos servia de padrão-ouro à avaliação que os juristas faziam do carácter dos homens e da rectidão dos seus intentos. Portanto, muito consequentemente, tem chamado para junto de si os mais amigos e os respectivos agregados familiares, polvilhando o Governo de cabritas, vitorinos, vieiras da silva e incontáveis outros ramos do imenso tronco cor-de-rosa – Pedro Nuno e a sua mulher são as mais recentes aquisições familiares.

Se Mário Soares foi o Presidente-Rei, António Costa, dilecto discípulo e herdeiro em linha directa do estilo, do optimismo e da bonomia revelou-se agora o Primeiro-Ministro-Rei, chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos – um nepotismo cor-de-rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica.

Pois bem. Se o programa da Cristina me revelou o homem e o seu carácter, outros programas revelaram-me a solução – refiro-me a “Quem quer casar com o agricultor” e “Quem quer casar com o meu filho”.

É chegado o momento de propor uma nova maneira de escolher governantes – um reality show em que o Primeiro-Ministro, assessorado pelos seus mais próximos, testa as qualidades e aptidões de cada candidato a Ministro, Secretário de Estado, chefe de gabinete e por aí fora. Frente a frente num sofá, com luz intimista e um ambiente acolhedor será difícil não acertar em cheio naqueles que virão a revelar-se os melhores para o governo de Portugal!

Por exemplo: chega o candidato a Ministro da Educação e a mulher de Costa dispara, bloquinho na mão e óculos na ponta do nariz: “Então diga-me lá: teve matemática até que ano? Sabe resolver equações com duas incógnitas? Como contaria o tempo de serviço dos professores?”. E responde o candidato, sorriso nervoso e olhando a câmara de soslaio: “eh pá, essa agora é que eu não esperava”…

Vem depois o putativo titular da pasta da Administração Interna e pergunta a nora de Costa: “O menino andou nos escuteiros? Sabe dar quantos nós? E queimadas, sabe fazer com segurança?”.  O candidato treme de nervos e balbucia que “já foi há muito tempo que por lá passei, mas que é uma escola de virtudes, isso é…”.

No programa seguinte, testa-se as habilitações da futura Ministra da Saúde. Questiona Siza Vieira: “A senhora candidata licenciou-se em que ano? E em que dia concluiu o curso, num dia útil ou num Domingo? Na sua juventude frequentava acampamentos do Bloco? Considera os médicos e os enfermeiros como parte do problema ou da solução?” A candidata diz, timidamente, que o Bloco nunca a atraiu muito e Costa sorri, confiante.

Entra de seguida o pretendente a Secretário de Estado da Energia e atira Pedro Nuno: “O senhor sabe a diferença entre corrente contínua e corrente alterna? E sabe o que é uma instalação trifásica? E o seu inglês técnico, de que nível é?”.

O candidato, aproximando-se o final do programa, explica em voz baixa que não, não percebe muito dessas coisas, mas tem tido umas explicações caseiras com o seu primo de apelido Vieira da Silva, que é muito habilidoso.

Antes do fade-out, Costa é filmado de cima a pôr um OK no nome do último candidato – e a piscar o olho a um Pedro Nuno triunfante.

Claro que estas ideias não serão úteis na eventualidade (em que alguns acreditam) de já ser esta a metodologia seguida hoje em dia nas escolhas para o Governo…

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

A culpa é do mexilhão! /premium

Luís Reis
316

Sempre que formos bombardeados por uma qualquer intervenção do PS com a a cartilha de Costa, só temos de repetir, contritos, conformados e de cabeça baixa: Por minha culpa. Por minha tão grande culpa!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)