Rádio Observador

Global Shapers

Recrutam-se pessoas

Autor
313

Expressões vagas como "aprendo rápido" e "trabalho bem em equipa" ou “sou criativo” são termos comuns que pouco dizem sobre a pessoa. Esta dimensão pode ser mais relevante se ilustrada com exemplos.

Ao contrário do que escrevemos nos nossos currículos (um aparente somatório de experiências académicas e profissionais), o nosso percurso e as competências que adquirimos ao longo do tempo também nos definem e têm impacto no sucesso profissional. Numa altura em que se fala tanto de funções substituíveis, as competências como a liderança, comunicação ou criatividade deveriam ter uma preponderância muito maior no momento de recrutar ou ser recrutado.

Em 2013, a Google fez um estudo interno onde analisou dezenas de milhares de entrevistas para tentar descobrir se haveria alguma característica ou perfil-tipo que faria prever o sucesso no desempenho das equipas. Os resultados não foram encorajadores: Não havia correlação entre as pessoas com melhor desempenho e quem fez a entrevista nem tão pouco da Universidade e nota de final de curso. Após esta análise, e entre outras mudanças, algumas equipas começaram a recrutar pessoas sem curso universitário, pois reconheceu-se que se estaria a excluir talento com base na ideia (errada) que teriam uma menor chance de sucesso.

Quando iniciei a procura pelo primeiro emprego, senti a frustração de ver todos os anúncios a pedir experiência e pensava: “Se nunca me derem uma oportunidade, como é que posso alguma vez começar a trabalhar?”. O meu CV era, portanto, apenas a experiência académica e um estágio, tal como a maioria das pessoas que terminaram o curso na mesma altura por todo o país. Olhando para o papel, éramos parecidos. Conhecendo as pessoas, rapidamente se entendia que uns teriam facilidade em trabalhar em contextos de alta incerteza, outros eram analíticos e conseguiam trazer processos e organização. Estas competências ficavam escondidas e ignoradas pelos candidatos, e aos recrutadores restava-lhes a esperança de as conseguir detetar no processo da entrevista (para os que eram pré-selecionados).

Para a aquisição de skills formais, não faltam cursos gratuitos online, formações, livros, workshops e todo um manancial de oportunidades de formação mais ou menos estruturada – seja de marketing digital ou qualquer outra área. Dependendo dos objectivos de cada um, a escolha pode ser variada e contínua ao longo da vida. Há por isso uma expectativa no mercado que essas hard skills, que estão em constante mudança, possam ser aprendidas e afinadas constantemente por todas as pessoas. O mais difícil de comunicar e avaliar são as soft skills.

Como explicitar estas competências?

Expressões vagas como “aprendo rápido” e “trabalho bem em equipa” ou “sou criativo/a” são termos comuns que pouco dizem sobre a pessoa. Esta dimensão pode ser mais relevante se a ilustrarmos com exemplos onde aprendemos rápido ou uma situação extrema que demonstrou grande trabalho de equipa.

Numa candidatura a uma função de marketing digital, poderão as experiências de vida significativas contar para o processo de recrutamento? Parece-me, por exemplo, que ser ajudante de cozinha durante alguns meses noutro país, permite à pessoa desenvolver competências que não se aprendem em contextos formais e podem ilustrar a capacidade de adaptação à mudança e experiência em contextos de diversidade cultural.

Colocado de outra forma, a experiência é apenas um ingrediente: tê-la não prova que o produto final seja bom. A competência, por outro lado, é um indicador mais perto do produto final, apesar de nunca nos dar 100% de certeza.

Daniel Araújo, 30 anos, é o CEO da Attentive.us, uma empresa tecnológica criada em 2015, considerada “Top 10 B2B Startup in Europe” em 2016. Em 2017, participou no programa de aceleração Techstars em Boulder, EUA. Antes de lançar a empresa, foi analista de Indústria na Google em Dublin e Londres durante cinco anos. Juntou-se ao Hub de Lisboa dos Global Shapers em 2017

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes da sociedade portuguesa. Ao longo dos próximos meses, partilharão com os leitores a visão para o futuro do país, com base nas respetivas áreas de especialidade, como aconteceu com este artigo. O artigo representa, portanto, a opinião pessoal do autor enquadrada nos valores da Comunidade dos Global Shapers.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

A ciência da nova gestão

Daniel Araújo
307

A gestão até aos dias de hoje estava preocupada em como construir um produto. Agora precisa de ferramentas para saber que produto produzir.

Global Shapers

Aproximar a lei dos cidadãos

Mariana Melo Egídio

Actualmente os cidadãos podem mais facilmente participar no processo legislativo e regulamentar, registando-se e seguindo o diploma ou comentando-o, isto é, enviando os seus contributos.

Global Shapers

10 medidas para revolucionar o SNS

Francisco Goiana da Silva
626

De uma vez por todas, o financiamento tem de acompanhar as escolhas dos utentes do SNS. Nesse dia, teremos um sistema em que o utente é realmente quem manda. Há algo mais democrático do que isso?

Global Shapers

O urinol que é arte /premium

Pedro Líbano Monteiro
115

Em que medida pode um urinol ser arte? Porque razão um urinol há de ser menos arte que um Picasso? Foi esta problemática que levou muitos artistas, no século XX, a expor obras como uma cama por fazer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)