Rádio Observador

Global Shapers

Que se lixe a abstenção, o que interessa são os poucos votos /premium

Autor
196

As pessoas que defendem que votar “não vale a pena” pois “vai dar ao mesmo” não percebem que são elas que, ao alienar-se do processo eleitoral, se alienam de Portugal, sobrando menos gente preocupada

O primeiro ministro, António Costa, durante a campanha para as últimas eleições europeias, afirmou que a altíssima taxa de abstenção, na altura previsível, merecia uma “reflexão séria”. Repetiram-se as preocupações, da direita à esquerda, na alta taxa de abstenção, e a análise pós-eleições foi unânime ao anunciar a abstenção como a grande vencedora da noite eleitoral.

Esta semana, faz exactamente um mês das eleições e a preocupação com o facto de termos a sexta pior taxa de participação dentro dos 28 países da UE, e estar bem abaixo da média europeia (31% em Portugal contra 50,82%), rapidamente se desvaneceu e voltámos a discutir os habituais fait divers políticos.

Não disponho de dotes de previsão do futuro, mas parece-me que após o Verão  vamos ouvir as mesmas pessoas com as mesmas preocupações com a abstenção, os mesmos apelos ao voto, e no dia a seguir às eleições legislativas – a 6 de Outubro – a preocupação com a abstenção desvanecerá, instantaneamente, uma outra vez.

A gravidade da nossa taxa de abstenção não deve ser ignorada e apenas surtir uma falsa preocupação durante as campanhas eleitorais – é um sintoma da alienação de grande parte da população Portuguesa da sua participação activa no rumo da nossa sociedade.

Ouvimos, em várias eleições: “estava um dia de sol, os Portugueses gostam é de praia”; se, por outro lado, está a chover, ouvimos: “está a chover, os Portugueses não saem de casa com este tempo!”. Talvez nos descanse que o problema está no tempo, mas não está – desde 1975, em todo o tipo de eleições, a tendência de crescimento da abstenção é imparável: cavalgou dos cerca de 8.5% em 75 para mais de 40% nas últimas legislativas.

Apesar deste cenário, foram dados passos importantes para a inclusão de todas as pessoas no processo eleitoral, e mesmo que o seu impacto na redução da abstenção seja pequeno, estes são cruciais como instrumentos de sinalização a todos os Portugueses que a participação é fundamental para o nosso país. O voto em Braille e a recenseamento automático de residentes no estrangeiro  são exemplos disso.

As pessoas que defendem que votar “não vale a pena” porque “vai dar ao mesmo” não percebem que são elas que, ao alienar-se do processo eleitoral, se alienam de Portugal, sobrando menos pessoas preocupadas e atentas à classe política.

“Que se lixem as eleições, o que interessa é Portugal” — afirmou Passos Coelho em 2012. Talvez fique a ideia de “que se lixe a abstenção, os votos chegam para ser eleitos e termos menos escrutínio”. Não podemos deixar que a nossa democracia definhe.

Daniel Araújo, 31 anos, é o CEO da Attentive, uma empresa tecnológica criada em 2015, considerada “Top 10 B2B Startup in Europe” em 2016. Em 2017, participou no programa de aceleração Techstars em Boulder, EUA. Antes de lançar a empresa, foi analista de Indústria na Google em Dublin e Londres durante cinco anos. Juntou-se ao Hub de Lisboa dos Global Shapers em 2017

O Observador associa-se aos Global Shapers Lisbon, comunidade do Fórum Económico Mundial para, semanalmente, discutir um tópico relevante da política nacional visto pelos olhos de um destes jovens líderes. Irão partilhar a visão para o futuro do país, com base nas respetivas áreas de especialidade, como aconteceu com este artigo. O artigo representa, portanto, a opinião pessoal do autor enquadrada nos valores da Comunidade dos Global Shapers.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Recrutam-se pessoas

Daniel Araújo
313

Expressões vagas como "aprendo rápido" e "trabalho bem em equipa" ou “sou criativo” são termos comuns que pouco dizem sobre a pessoa. Esta dimensão pode ser mais relevante se ilustrada com exemplos.

Global Shapers

A ciência da nova gestão

Daniel Araújo
307

A gestão até aos dias de hoje estava preocupada em como construir um produto. Agora precisa de ferramentas para saber que produto produzir.

Global Shapers

Contra a cultura de body-shaming

Inês Relvas

Todos temos de lutar ativamente contra o body-shaming. Precisamos de diversidade nos exemplos que nos rodeiam. E todos precisamos de uma relação mais saudável com os nossos corpos e com a nossa imagem

Global Shapers

Criar impacto é um excelente investimento

António Miguel

As empresas do futuro são as que integram o impacto social e ambiental no seu negócio. Esse futuro é hoje e quem não se adaptar perderá – consumidores, colaboradores e investidores não irão perdoar.

Global Shapers

Aproximar a lei dos cidadãos

Mariana Melo Egídio

Actualmente os cidadãos podem mais facilmente participar no processo legislativo e regulamentar, registando-se e seguindo o diploma ou comentando-o, isto é, enviando os seus contributos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)