Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ricardo Robles é um grande empresário imobiliário. Atendendo ao retorno dos seus investimentos, será mesmo a sua principal actividade, sendo a política uma ocupação secundária. Grosso modo, Robles investiu cerca de um milhão de Euros (entre aquisição e obras de recuperação de um prédio) e, passados cerca de quatro anos, o seu activo vale mais 500 por cento, 5 milhões de Euros, do que o investimento original. Esta valorização é um recorde em termos empresariais. Por exemplo, Américo Amorim e Belmiro de Azevedo, a quem o Bloco de Esquerda recusou a devida homenagem no parlamento, nunca terão multiplicado um investimento por 500 por cento em quatro anos durante as suas vidas empresariais.

Mesmo fora das nossas fronteiras, bancos de investimento como a Goldman Sachs (um dos alvos preferidos do Bloco) muito raramente conseguirá 500 por cento em quatro anos de retorno dos seus investimentos. O mesmo se poderá dizer dos outros grandes bancos de investimento, como a Morgan Stanley, o J.P. Morgan, o HSBC ou o Barclays. Os hedges funds de maior sucesso, considerados como os grandes especuladores pelas esquerdas europeias, terão um ano extraordinário se conseguirem 20 por cento de retornos dos seus investimentos. Em anos absolutamente excepcionais, chegarão aos 30, eventualmente 40 por cento. No melhor dos casos, em quatro anos, terão 160 por cento de retornos. Muito longe dos retornos do especulador imobiliário, Ricardo Robles.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.