Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Muro de Berlim caiu há 30 anos e foram muitos os que acreditaram que seria o último a ruir na Europa, mas novas paredes se levantam, podem não ser de pedra ou betão, mas não são menos vergonhosas.

O “Muro da Vergonha”, nome dado por Willy Brandt, dirigente social-democrata e primeiro-ministro da República Federal Alemã (RFA), foi edificado na noite de 13 de Agosto de 1961, quando os líderes comunistas soviéticos e alemães orientais compreenderam que, através de meios civilizados e pacíficos, não conseguiriam vencer a luta contra o capitalismo ocidental na disputa pelo bem-estar social e económico.  Face a uma fuga massiva de pessoas da República Democrática Alemã (RDA) para a RFA, eles não encontraram outra saída que não edificar uma parede de cimento e arame farpado com 155 quilómetros de comprimento.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.