Reino Unido

To Brexit Or Not To Brexit? /premium

Autor

Se a Inglaterra soberana e conservadora, «trabalhistas» incluídos, não consegue sair da UE é porque a União não foi feita para isso. Só foi feita para entrar.

Há três coisas essenciais que é preciso saber se quisermos formular hipóteses, neste nosso cantinho lusitano, acerca do que irá sair do braço de ferro entre o Reino Unido e a União Europeia (UE). A primeira dessas coisas é tão óbvia e tão antiga que tem sido sistematicamente esquecida pela esmagadora maioria dos comentadores europeus ou não. Precedida desde 1950 pelo Plano Jean Monnet na sequência do fim da 2.ª Guerra Mundial, a primitiva Comunidade Económica Europeia (CEE, 1957), hoje com 61 anos feitos sob o novo nome de União Europeia (UE, 1993), já tinha mais de 15 anos quando a Grã-Bretanha e os seus aliados foram finalmente aceites na organização multinacional das democracias europeias, às quais se foram juntando ao todo 28 países e há mais na fila de espera.

Entretanto, entrou em circulação a moeda única em 1992 (o Euro), actualmente com 19 países aderentes, mas – primeiro sinal da sistemática suspeição britânica anti-continental – só um dos países que aderiram juntamente com a Grã-Bretanha é que adoptou o euro, a Irlanda, a qual era ainda há menos de cem anos uma colónia inglesa (1921) e é hoje em dia o país com o maior PIBpc da UE, com a excepção singular do Luxemburgo… Como é sabido, embora isso seja empurrado para debaixo do tapete, a Grã-Bretanha já se candidatara à CEE duas vezes – em 1961 e em 1967 – sendo a sua candidatura recusada pela França então presidida por De Gaulle.

Esta mútua suspeição, que já então reinava nunca desapareceu perante as ilusões da Grã-Bretanha acerca do seu próprio lugar no concerto das nações depois do fim do império britânico e, sobretudo, da aliança com a antiga colónia norte-americana. A suspeição voltou a dar sinais perante a criação da moeda única europeia, que efectivamente ousou competir com a combinação permanente entre o dólar americano e a libra esterlina, que também nunca esconderam a oposição ao «euro»!

Em suma, a relação da Grã-Bretanha com a UE foi sempre vivida do ponto de vista egoísta do seu soberanismo imperial e quem acompanhou o longo período de criação dessa extraordinária entidade política que é ainda a UE sempre o soube. Eu próprio tive oportunidade há anos de observar a forma descarada como a Inglaterra, apoiada pelos USA, angariava a adesão dos países de Leste recém-libertos da bota soviética. Numa palavra, foi uma versão mal disfarçada da táctica: «Se não podes vencê-los, junta-te a eles»… Mas em plena desordem internacional decidiu que «se não podes vencê-los, vira-lhes as costas»! Talvez o euro não se aguente! A única surpresa foi a tardia traição de Trump cujo ultra-soberanismo deixou a Inglaterra pendurada…

O segundo ponto decisivo desta narrativa é também muito simples. Se hoje a Inglaterra não consegue sair da UE não é por causa da escassa maioria dos «brexiters», de cuja miopia soberanista os filhos hão-de lamentar-se a vida toda, nem tão pouco da má vontade das autoridades europeias. É muito simplesmente porque o euro foi construído com grande dificuldade a fim de fornecer aos países-membros aquele substrato, que os estados norte-americanos possuem, a fim de conferir uma existência comum reconhecida a uma Federação Europeia, a saber, o euro, pelo qual cada estado membro é e deve ser responsável, bem como solidário, conforme sucede com os estados norte-americanos, os quais, quando vão à falência, têm de pagar por ela, como se viu com o estado de Porto Rico ou com cidades como Detroit!

Em suma, se a Inglaterra soberana e conservadora, «trabalhistas» incluídos, não consegue sair da UE é porque a União não foi feita para isso. Só foi feita para entrar. E o euro é o cimento que gruda a União ou esta não sobrevive. Neste sentido, os soberanistas de todos os feitios e tamanhos, como os que existem em Portugal, incluindo em esdrúxulas combinações entre reaccionários e revolucionários, têm de capacitar-se que o destino da UE ainda pode a vir a ser a dissolução da União e a formação de uma Federação dos países que sejam capazes de viver à altura de uma moeda única.

Um terceiro ponto não despiciendo, embora esquecido por comentadores de todas as nacionalidades, apresentem-se eles como sendo de direita ou de esquerda, incluindo mais uma vez em Portugal, é uma indisfarçável aversão sócio-cultural às potências continentais, nomeadamente à França e à Alemanha. Isso vem do despique histórico entre conservadores e radicais perante o colonialismo e o imperialismo dos quais Portugal não deixa de ter saudades: basta ver a forma como aqui ainda se alimentam verbalmente relações paternalistas com o Brasil e com as antigas colónias africanas. A simpatia por um sistema político ultra-conservador como o Inglês, incapaz de assumir um mínimo de proporcionalidade eleitoral, tem efeitos ideológicos que levam muitos a antipatizar com aquilo que consideram ser uma espécie de doutrina da moeda única, a qual mais não é do que o único cimento viável para um regime federal europeu nesta altura do processo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Brincar com a saúde! /premium

Manuel Villaverde Cabral
155

A gerigonça tem muitas batatas quentes nas mãos mas estas duas (saúde e envelhecimento) talvez possam ser politicamente iludidas nas próximas eleições mas não no futuro financeiro e económico do país.

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)